FC Porto assume liderança provisória em noite de VAR aberto

Azuis e brancos venceram este sábado o Marítimo por 3-0, no Dragão, em partida da 26.ª jornada da I Liga. VAR anula penálti e assinala outro para os dragões e expulsa jogador madeirense aos 9 minutos

Pode dizer-se que foi uma noite de VAR aberto no Estádio do Dragão. A tecnologia de videoárbitro esteve bastante ativa e obrigou João Capela a fazer piscinas para consultar as imagens e tomar decisões cruciais para o desenrolar dos acontecimentos. Ainda o jogo não tinha ultrapassado a dezena de minutos e já o juiz lisboeta tinha revertido uma grande penalidade assinalada a favor do FC Porto e expulsado o defesa madeirense Lucas Áfrico depois de lhe ter exibido inicialmente o cartão amarelo.

Mesmo contra dez desde bem cedo, quando ainda faziam sentir uma entrada pressionante em campo, os dragões sentiram dificuldades em contornar o ferry verde-rubro que Petit atracou à frente do quase intransponível Charles, que tal como há três semanas frente ao Sporting, voltou a estar em plano de evidência.

Completamente instalados no meio-campo ofensivo, os azuis e brancos procuraram circular a bola numa zona mais recuado, para atrair a pressão do Marítimo e libertar espaço no último terreno, mas o melhor que conseguiu durante a primeira parte foi um remate de Marega à malha lateral (24') e outro ao poste de Herrera (45+7'), num lance que seria concluído com um golo anulado a Danilo Pereira.

De Telles a Brahimi

Na segunda parte, a toada manteve-se, mas desta vez o videoárbitro descortinou um penálti na área dos insulares, a castigar mão na bola de Gamboa, que Alex Telles transformou em golo (57').

Aberto o caminho para o triunfo, os dragões tiraram um peso de cima com o 1-0 e dispuseram de oportunidades para dilatar a vantagem. Com naturalidade, o segundo golo surgiu e com a confirmação do VAR, com Marega aparentemente a ser o último a tocar mas a Liga a atribui-lo a Éder Militão (72'), que cabeceou após canto de Corona.

Com a vitória no bolso, houve ainda tempo para Brahimi, que este sábado foi suplente pelo terceiro jogo consecutivo, inscrever o nome dele na lista de marcadores. Apesar da beleza do lance, um remate fulminante, o extremo argelino fez questão de não comemorar (89').

Feitas as contas, o FC Porto mantém a tradição de bater o Marítimo em casa - é assim desde 2009/10 e nunca perdeu com os insulares -, conquista três pontos na véspera de o Benfica ir a jogo numa deslocação difícil a Moreira de Cónegos e assume a liderança provisória da I Liga.

Figura: Jesús Corona

Preferencialmente no corredor direito, foi procurando utilizar a fantasia para contornar os adversários e arranjar uma nesga de espaço para cruzar para a área. Autêntico abre-latas, tentou abrir a defesa madeirense através de rasgos individuais, tendo acabado por ter participação ativa nos dois últimos golos do FC Porto. No segundo, executou o canto que encontrou a cabeça de Éder Militão. No terceiro, serviu Brahimi para um remate fulminante do argelino.

Ficha de jogo

Jogo no Estádio do Dragão, no Porto.

Árbitro: João Capela (AF Lisboa).

Assistência: 46.430 espetadores.

FC Porto: Casillas, Militão, Felipe, Pepe (Manafá, 46), Alex Telles, Otávio (Brahimi, 70), Danilo, Herrera (Óliver Torres, 78), Corona, Marega e Soares.

Treinador: Sérgio Conceição.

Marítimo: Charles, Nanú, Grolli, Lucas Áfrico, Fábio China, Gamboa, Pelágio (Correa, 65), René (Jean Cléber, 46), Fabrício, Barrera (Rodrigo Pinho, 74) e Getterson.

Treinador: Petit.

Marcadores: 1-0, Alex Telles, 57 (grande penalidade); 2-0, Militão, 72; 3-0, Brahimi, 88.

Disciplina: cartão amarelo para Pepe (45+2), Gamboa (55), Getterson (90). Cartão vermelho direto para Lucas Áfrico (7).

Veja o resumo da partida

Filme do jogo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.