FC Porto assume liderança provisória em noite de VAR aberto

Azuis e brancos venceram este sábado o Marítimo por 3-0, no Dragão, em partida da 26.ª jornada da I Liga. VAR anula penálti e assinala outro para os dragões e expulsa jogador madeirense aos 9 minutos

Pode dizer-se que foi uma noite de VAR aberto no Estádio do Dragão. A tecnologia de videoárbitro esteve bastante ativa e obrigou João Capela a fazer piscinas para consultar as imagens e tomar decisões cruciais para o desenrolar dos acontecimentos. Ainda o jogo não tinha ultrapassado a dezena de minutos e já o juiz lisboeta tinha revertido uma grande penalidade assinalada a favor do FC Porto e expulsado o defesa madeirense Lucas Áfrico depois de lhe ter exibido inicialmente o cartão amarelo.

Mesmo contra dez desde bem cedo, quando ainda faziam sentir uma entrada pressionante em campo, os dragões sentiram dificuldades em contornar o ferry verde-rubro que Petit atracou à frente do quase intransponível Charles, que tal como há três semanas frente ao Sporting, voltou a estar em plano de evidência.

Completamente instalados no meio-campo ofensivo, os azuis e brancos procuraram circular a bola numa zona mais recuado, para atrair a pressão do Marítimo e libertar espaço no último terreno, mas o melhor que conseguiu durante a primeira parte foi um remate de Marega à malha lateral (24') e outro ao poste de Herrera (45+7'), num lance que seria concluído com um golo anulado a Danilo Pereira.

De Telles a Brahimi

Na segunda parte, a toada manteve-se, mas desta vez o videoárbitro descortinou um penálti na área dos insulares, a castigar mão na bola de Gamboa, que Alex Telles transformou em golo (57').

Aberto o caminho para o triunfo, os dragões tiraram um peso de cima com o 1-0 e dispuseram de oportunidades para dilatar a vantagem. Com naturalidade, o segundo golo surgiu e com a confirmação do VAR, com Marega aparentemente a ser o último a tocar mas a Liga a atribui-lo a Éder Militão (72'), que cabeceou após canto de Corona.

Com a vitória no bolso, houve ainda tempo para Brahimi, que este sábado foi suplente pelo terceiro jogo consecutivo, inscrever o nome dele na lista de marcadores. Apesar da beleza do lance, um remate fulminante, o extremo argelino fez questão de não comemorar (89').

Feitas as contas, o FC Porto mantém a tradição de bater o Marítimo em casa - é assim desde 2009/10 e nunca perdeu com os insulares -, conquista três pontos na véspera de o Benfica ir a jogo numa deslocação difícil a Moreira de Cónegos e assume a liderança provisória da I Liga.

Figura: Jesús Corona

Preferencialmente no corredor direito, foi procurando utilizar a fantasia para contornar os adversários e arranjar uma nesga de espaço para cruzar para a área. Autêntico abre-latas, tentou abrir a defesa madeirense através de rasgos individuais, tendo acabado por ter participação ativa nos dois últimos golos do FC Porto. No segundo, executou o canto que encontrou a cabeça de Éder Militão. No terceiro, serviu Brahimi para um remate fulminante do argelino.

Ficha de jogo

Jogo no Estádio do Dragão, no Porto.

Árbitro: João Capela (AF Lisboa).

Assistência: 46.430 espetadores.

FC Porto: Casillas, Militão, Felipe, Pepe (Manafá, 46), Alex Telles, Otávio (Brahimi, 70), Danilo, Herrera (Óliver Torres, 78), Corona, Marega e Soares.

Treinador: Sérgio Conceição.

Marítimo: Charles, Nanú, Grolli, Lucas Áfrico, Fábio China, Gamboa, Pelágio (Correa, 65), René (Jean Cléber, 46), Fabrício, Barrera (Rodrigo Pinho, 74) e Getterson.

Treinador: Petit.

Marcadores: 1-0, Alex Telles, 57 (grande penalidade); 2-0, Militão, 72; 3-0, Brahimi, 88.

Disciplina: cartão amarelo para Pepe (45+2), Gamboa (55), Getterson (90). Cartão vermelho direto para Lucas Áfrico (7).

Veja o resumo da partida

Filme do jogo