Renato Sanches vai continuar no Bayern Munique... para já

Médio português esteve com um pé no PSG, mas a transferência foi abortada por desacordo de verbas entre o campeão alemão e o campeão francês.

Renato Sanches vai continuar no Bayern Munique para já. Segundo soube o DN, o médio português estava a ser negociado com o PSG, mas os bávaros não aceitaram os valores do negócio oferecidos pelos franceses e abortaram a saída. Até ao fecho do mercado a possibilidade do campeão da Europa sair mantém-se.

O treinador do PSG, o alemão Thomas Tuchel, pediu um médio neste mercado de inverno e apontou baterias para Renato Sanches. O português do Bayern Munique pretendia jogar mais, uma vez que está época fez apenas 16 jogos (666 minutos) ao serviço dos bávaros e por isso aceitou a mudança para Paris. Mas a vontade do português esbarrou nos números.

O primeiro contrato do emblema francês foi no sentido de receber Renato por empréstimo, com opção de compra, mas o Bayern Munique contrapôs com venda imediata por cerca de 45 milhões de euros. Uma verba que o PSG considerou excessiva, chegando a oferecer apenas 30 milhões de euros pelo passe do português.

Já no início da época esteve perto de ser emprestado ao Benfica, mas divergências de verbas impediram o menino prodígio da formação encarnada de regressar a casa.

Renato foi contratado pelo clube alemão em 2016, por 35 milhões de euros, mas teve dificuldades em impor-se, tendo até estado emprestado ao Swansea (Inglaterra). Esta época voltou à Bundesliga, mas a época não está a correr bem ao clube alemão e campeão da Europa de seleções não tem sido opção regular.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.