Real Madrid vence o Getafe no primeiro jogo da Liga pós-Ronaldo

Nesta primeira jornada da Liga espanhola, André Silva esteve em destaque por ter feito um hat-trick na vitória do Sevilha

O Real Madrid venceu este domingo por 2-0 o Getafe no arranque da Liga espanhola de futebol, na qual o português André Silva esteve em destaque ao apontar um 'hat-trick' no triunfo do Sevilha, por 4-1, em casa do Rayo Vallecano.

O treinador Julen Lopetegui operou para a estreia no campeonato duas alterações em relação ao onze da Supertaça Europeia, que perdeu para rival e vizinho Atlético de Madrid (4-2), deixando no banco o francês Raphaël Varane e o brasileiro Casemiro.

O Real Madrid chegou à vantagem por Daniel Carvajal, aos 20 minutos, e dilatou a diferença para 2-0, aos 51 minutos, pelo galês Gareth Bale, a quem é pedido para fazer esquecer o português Cristiano Ronaldo, que se transferiu para a Juventus.

No Getafe, o português Antunes, que não fez parte da equipa inicial escolhida pelo treinador José Bordalás, não chegou a sair do banco.

André Silva estreou-se na Liga, depois de ter sido suplente utilizado na Supertaça espanhola perdida frente ao FC Barcelona (2-1), com um 'hat-trick' no triunfo do Sevilha, por 4-1, em casa do recém-promovido Rayo Vallecano.

O ex-portista, emprestado pelo AC Milan ao Sevilha, foi titular em casa do Rayo Vallecano e, depois do italo-argentino Franco Vázquez ter feito o primeiro golo, aos 15 minutos, marcou aos 31, 45+1 e 79 minutos.

O Rayo Vallecano ainda reduziu para 4-1 por Adri Embarba, aos 85 minutos, na conversão de uma grande penalidade.

O Huesca, dos portugueses Luisinho, titular, e Rúben Semedo, que saiu do banco aos 77 minutos, venceu por 2-1 em casa do Eibar, dos compatriotas Paulo Oliveira e Bebé, com um bis de Álex Gallar, aos cinco e 40 minutos.

O Eibar, nono classificado na edição de 2017/18, ainda reduziu pelo argentino Gonzalo Escalante, aos 69 minutos, mas foi impotente para impedir a conquista dos três primeiros pontos ao Huesca, que se estreava no principal campeonato.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?