Por que razão os jogadores russos recorreram ao amoníaco no Mundial?

A substância é usada em vários desportos de alta competição e não é considerada doping

O jornal alemão Bild levantou a suspeita nos últimos dias de que os jogadores russos teriam recorrido ao uso de doping antes da partida com a Espanha e sustentava a tese pela forma como os atletas surgiram à saída do túnel a coçar o nariz.

De pronto, o médico da seleção de leste, Eduard Bezuglov , veio desmistificar o caso, explicando que os atletas tinham inalado amoníaco antes da partida e que isso é uma prática comum no desporto em geral, não sendo considerado doping.

Mas afinal para que serve o amoníaco e porque é pratica corrente entre os atletas de vários desportos? Ao DN, Henrique Jones, antigo médico da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), explica que esta substância é inofensiva e serve apenas para estimular a "atenção do atleta".

"O amoníaco tem dois efeitos importantes: a sua inalação leva a um alerta cerebral através do estímulo da mucosa nasal, e também ao aumento da capacidade respiratória porque aumenta as trocas gasosas a nível do pulmão". O médico acrescenta que o "efeito é pouco duradouro, de livre utilização pelos atletas", não existindo qualquer estudo que o associe ao aumento da performance desportiva de alguma forma.

Henrique Jones assume ainda que o amoníaco nada tem que ver com doping e que é apenas uma das muitas substâncias que são utilizadas como "mecanismo de estimulação".

O atleta olímpico de taekwondo, Rui Bragança, refere ao DN que isto é algo que vê no seu dia-a-dia, não só na modalidade que pratica mas também em vários desportos de combate: "Vi ser utilizado no halterofilismo e na maioria dos desportos de combate como MMA e boxe. No taekwondo havia um atleta bielorrusso que o fazia abertamente".

Rui Bragança diz que nunca recorreu a tal por ser asmático e por isso lhe poder trazer problemas ao nível das vias respiratórias.

Para lá de ser utilizado no desporto, o amoníaco é uma substância presente no nosso dia-a-dia em fertilizantes, detergentes e produtos farmacêuticos.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.