O dia negro de Bruno de Carvalho

Ex-presidente do Sporting foi hospitalizado no Hospital da Cruz vermelha e falhou comparência na sede de candidatura, para onde tinha agendado seguir as eleições de sábado, entre outras ações

Suspenso e impedido de concorrer ao ato eleitoral ganho por Frederico Varandas, em risco de ser expulso do Sporting por sugestão da Comissão de Fiscalização transitória (hoje tomam posse os corpos sociais do Sporting às 19:00), Bruno de Carvalho teve um dia negro, este sábado. O 42.º presidente dos leões esteve hospitalizado no Hospital da Cruz Vermelha, de onde terá saído ao início da manhã.

Segundo fonte próxima do antigo dirigente do Sporting, Bruno de Carvalho deu entrada no Hospital da Cruz Vermelha este sábado ao final da tarde/início da noite. Uma indisposição, da qual ainda se desconhece a origem, obrigou a um internamento de várias horas naquela unidade de saúde de Lisboa.

Esta contrariedade terá estado na origem da ausência de Bruno de Carvalho da sede da sua candidatura, que foi travada pelo Conselho Fiscal com a suspensão de dez meses, que o impedia de concorrer às eleições. Ainda assim, manteve o espaço físico e continua a identificar-se nas redes sociais como "presidente do Sporting Clube de Portugal".

Na sede, Bruno de Carvalho tinha agendadas para sábado várias ações com a equipa de apoiantes, incluindo, obviamente, o acompanhamento do ato eleitoral que bateu o recorde de votantes (22.510 contra os 18.661 que o reconduziram no cargo a 4 de março de 2017). A sua ausência foi notada no círculo mais próximo.

Além de tudo isto, também se ficou a saber já este domingo que, segundo o relatório e contas conhecido no sábado, a SAD interinamente dirigida por Sousa Cintra não irá indemnizar nenhum dos elementos do anterior Conselho Diretivo, que era liderado por Bruno de Carvalho,

A série de episódios conflituosos de Bruno de Carvalho, que escalou até ao assalto à Academia, onde a 15 de maio foram agredidos jogadores e membros da equipa, levou à destituição em Assembleia Geral no dia 23 de junho. Votaram 14.735 sócios, com 71,36% dos votos a favor da destituição e 26,84% contra.

Há dois dias, a SAD informou a CMVM que "não foram pagas ou são devidas quaisquer indemnizações a ex-administradores executivos relativamente à cessação das suas funções". Apenas foram pagos direitos "respeitantes a férias, subsídio de Natal e respetivos valores proporcionais" até 27 de junho, dia em que cessaram funções. Bruno de Carvalho recebeu 182.606 euros, Vieira, Caeiro e Pinheiro (este demitiu-se no início de junho) auferiram 138.856 euros. As remunerações auferidas pelos quatro administradores eram de: 25.113 euros/mês (Bruno de Carvalho) e 16.742 euros (Carlos Vieira, Guilherme Pinheiro e Rui Caeiro).

Entretanto, já foi noticiado que esta segunda-feira o ex-presidente irá impugnar as eleições deste sábado, interpondo uma providência cautelar. Algo que o DN ainda não conseguiu confirmar junto do movimento liderado pelo ex-presidente.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?