Canoísta Fernando Pimenta é medalha de prata em K1 1000

O canoísta Fernando Pimenta conquistou hoje a medalha de prata na prova de K1 1000 dos II Jogos Europeus, elevando para 10 o número de pódios de Portugal em Minsk, igualando Baku2015.

Na central pista cinco, Fernando Pimenta saiu na frente e liderou mais de meia prova, contudo o húngaro Balint Kopasz atacou por volta dos 750 metros e a reação de Pimenta apenas lhe permitiu ficar a quase impercetíveis 112 milésimos de segundo do magiar, que concluiu em 3.30,963 minutos.

O bielorrusso Aleh Yurénia completou o pódio, a 1,355 segundos do ouro.

Em Baku, Fernando Pimenta tinha sido prata em K1 1000 e 5000, distância com final direta para o português quinta-feira às 14:30, horas de Lisboa.

Fernando Pimenta é o atual campeão do Mundo de K1 1000 e 5000, sendo que apenas a primeira é distância olímpica.

"Claro que custa perder por tão pouco, mas estou ciente de que fiz tudo o que tinha a fazer. Descansei bem, recuperei também bem, mas o melhor momento da época está para vir, que é o campeonato do mundo e aí espero chegar na melhor forma da época", frisou Fernando Pimenta.

Com este pódio, Fernando Pimenta partilha com a judoca Telma Monteiro e o trio da ginástica acrobática Bárbara Sequeira, Francisca Maia e Francisca Sampaio Maia o recorde de três medalhas dos portugueses somadas as duas edições dos Jogos Europeus, Minsk2019 e Baku2015.

Pimenta manifestou-se um admirador das qualidades dos compatriotas e relatou a experiência com a até aqui sua desconhecida equipa da ginástica -- "quarteto, pois o treinador também faz parte deste trio" -, assumindo-as como um "excelente exemplo" a seguir.

No fim, apelou aos compatriotas para que apoiem os desportistas lusos em todas as competições, "e não apenas nos dias de medalhas", considerando que sempre que um atleta entra em competição "leva todos os portugueses no coração".

Para quinta-feira, Portugal tem já garantidas mais duas finais, a dos K4 500 David Varela/Emanuel Silva/João Ribeiro/Messias Baptista e Joana Vasconcelos/Teresa Portela/Francisca Laia/Francisca Carvalho.

Hoje, a seleção de canoagem disputa ainda as eliminatórias e semifinais dos 200 metros, com os K1 Francisca Laia e Hugo Rocha, o K2 Joana Vasconcelos/Teresa Portela e a C1 Hélder Silva.

A seleção lusa soma agora 10 medalhas nos II Jogos Europeus, com uma de ouro, Carlos Nascimento, nos 100 metros, e cinco de prata, alcançadas por: equipa de judo na prova mista, ciclista Nelson Oliveira (contrarrelógio), ginastas acrobatas Bárbara Sequeira, Francisca Maia e Francisca Sampaio Maia, em combinado e no exercício dinâmico, e Fernando Pimenta em K1 1000.

Na prova de equilíbrio, as ginastas ainda conseguiram uma medalha de bronze, também alcançada pela judoca Telma Monteiro (-57 kg), pela estafeta mista dos 4x400 metros (Ricardo dos Santos, Cátia Azevedo, João Coelho e Rivinilda Mentai) e por Diogo Ganchinho nos trampolins.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.