Canoísta Fernando Pimenta é medalha de prata em K1 1000

O canoísta Fernando Pimenta conquistou hoje a medalha de prata na prova de K1 1000 dos II Jogos Europeus, elevando para 10 o número de pódios de Portugal em Minsk, igualando Baku2015.

Na central pista cinco, Fernando Pimenta saiu na frente e liderou mais de meia prova, contudo o húngaro Balint Kopasz atacou por volta dos 750 metros e a reação de Pimenta apenas lhe permitiu ficar a quase impercetíveis 112 milésimos de segundo do magiar, que concluiu em 3.30,963 minutos.

O bielorrusso Aleh Yurénia completou o pódio, a 1,355 segundos do ouro.

Em Baku, Fernando Pimenta tinha sido prata em K1 1000 e 5000, distância com final direta para o português quinta-feira às 14:30, horas de Lisboa.

Fernando Pimenta é o atual campeão do Mundo de K1 1000 e 5000, sendo que apenas a primeira é distância olímpica.

"Claro que custa perder por tão pouco, mas estou ciente de que fiz tudo o que tinha a fazer. Descansei bem, recuperei também bem, mas o melhor momento da época está para vir, que é o campeonato do mundo e aí espero chegar na melhor forma da época", frisou Fernando Pimenta.

Com este pódio, Fernando Pimenta partilha com a judoca Telma Monteiro e o trio da ginástica acrobática Bárbara Sequeira, Francisca Maia e Francisca Sampaio Maia o recorde de três medalhas dos portugueses somadas as duas edições dos Jogos Europeus, Minsk2019 e Baku2015.

Pimenta manifestou-se um admirador das qualidades dos compatriotas e relatou a experiência com a até aqui sua desconhecida equipa da ginástica -- "quarteto, pois o treinador também faz parte deste trio" -, assumindo-as como um "excelente exemplo" a seguir.

No fim, apelou aos compatriotas para que apoiem os desportistas lusos em todas as competições, "e não apenas nos dias de medalhas", considerando que sempre que um atleta entra em competição "leva todos os portugueses no coração".

Para quinta-feira, Portugal tem já garantidas mais duas finais, a dos K4 500 David Varela/Emanuel Silva/João Ribeiro/Messias Baptista e Joana Vasconcelos/Teresa Portela/Francisca Laia/Francisca Carvalho.

Hoje, a seleção de canoagem disputa ainda as eliminatórias e semifinais dos 200 metros, com os K1 Francisca Laia e Hugo Rocha, o K2 Joana Vasconcelos/Teresa Portela e a C1 Hélder Silva.

A seleção lusa soma agora 10 medalhas nos II Jogos Europeus, com uma de ouro, Carlos Nascimento, nos 100 metros, e cinco de prata, alcançadas por: equipa de judo na prova mista, ciclista Nelson Oliveira (contrarrelógio), ginastas acrobatas Bárbara Sequeira, Francisca Maia e Francisca Sampaio Maia, em combinado e no exercício dinâmico, e Fernando Pimenta em K1 1000.

Na prova de equilíbrio, as ginastas ainda conseguiram uma medalha de bronze, também alcançada pela judoca Telma Monteiro (-57 kg), pela estafeta mista dos 4x400 metros (Ricardo dos Santos, Cátia Azevedo, João Coelho e Rivinilda Mentai) e por Diogo Ganchinho nos trampolins.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?