Vietto assina por cinco anos fica com cláusula de 60 milhões de euros

O Sporting oficializou a contratação do avançado argentino à CMVM, uma semana depois de terem comunicado que o jogador tinha sido incluído na negociação com o Atlético de Madrid sobre Gelson Martins

O argentino Luciano Vietto assinou contrato com o Sporting por cinco anos e fica com uma cláusula de rescisão de 60 milhões de euros, informou esta terça-feira a SAD leonina em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

"Em complemento da informação prestada ao mercado, no dia 14 de maio de 2019, referente ao jogador Luciano Vietto", a SAD do Sporting informa ainda que "nos termos do acordo de transferência celebrado com o Atlético de Madrid ficou com direito a 50% dos direitos económicos' sobre o jogador.

Luciano Vietto jogou em 2018/19 nos ingleses do Fulham, por empréstimo dos colchoneros, conseguindo um golo em 20 jogos na 'Premier League'.

O avançado argentino, de 25 anos, custou 7,5 milhões de euros aos leões e chega a Alvalade envolvido no acordo de transferência do jogador Gelson Martins para o Atlético de Madrid, no início da época 2018/19, que foi comunicado há precisamente uma semana à CMVM.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.