Trabalhadores da FIAT convocam greve por causa de CR7

Patrocinador da Juventus ajudou o campeão da Juventus na transferência que levou o internacional português para Turim, o que caiu mal entre os funcionários da fabricante de automóveis

O sindicato italiano Unione Sindacale di Base comunicou que os trabalhadores da FIAT convocaram uma greve por causa da transferência de Cristiano Ronaldo para a Juventus, devido aos valores envolvidos na operação agilizada pela fabricante de automóveis, patrocinadora da vecchia signora.

"Não é aceitável que os trabalhadores continuem a fazer enormes sacrifícios económicos, enquanto a empresa gasta milhões de euros num jogador. Eles dizem às famílias para apertarem cada vez mais o cinto e depois decidem investir tanto dinheiro num jogador. Acham isso justo? É normal uma pessoa ganhar milhões, enquanto milhares de famílias a meio do mês já quase não têm dinheiro? Somos todos empregados e esta diferença de tratamento não pode continuar", pode ler-se no comunicado emitido pelo sindicato.

"Os trabalhadores da FIAT deram uma fortuna aos patrões nas últimas três gerações, mas foram compensados com uma vida de miséria. A FIAT deveria investir em novos modelos que consigam garantir o futuro de milhares de pessoas, ao invés de enriquecerem apenas uma pessoa. Esse é que deveria ser o objetivo. A empresa deveria colocar os interesses dos seus empregados em primeiro lugar. Se isto não acontece, é porque eles preferem o mundo do futebol e do entretenimento em detrimento do resto. Pelas razões descritas acima, o Sindicato convocou uma greve na fábrica de Melfi entre as 22 horas do dia 15 de julho e as 18 horas do dia 17 de julho", reivindicou o sindicato

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.