Torres Pereira diz que Bruno de Carvalho recusou abandonar instalações

Presidente da Comissão de Gestão garante que a documentação não dava a possibilidade de Bruno de Carvalho reassumir funções e diz que o dirigente só deixou Alvalade após intervenção da polícia

Artur Torres Pereira, presidente da Comissão de Gestão do Sporting, lançou duras críticas a Bruno de Carvalho.

Começou por esclarecer que o clube foi citado "a 1 de agosto para tomar posição relativamente a um providência cautelar na qual era pedida a suspensão da deliberação social da Assembleia Geral de 23 de junho". E continuou: "Encontra-se ainda a decorrer o prazo da resposta não tendo sido proferida ainda nenhuma decisão."

Depois a 'visita' de Bruno de Carvalho: "O ex-presidente compareceu nas instalações do clube alegando ter na sua posse a decisão do tribunal. Analisada a documentação provou-se ser tudo mentira. Não existia decisão judicial que suspenda decisões tomadas por sócios e que permite reassumir funções. O ex-presidente recusou retirar-se das instalações, mesmo depois de comprovado que trazia mão cheia de nada e outra cheia de coisa nenhuma. Chamada a PSP, esta garantiu a sua saída. Já estamos habituados a atitudes de desprezo do ex-presidente pelos sócios e clubes. Hoje todos os limites foram ultrapassados. O clube tenta recompor-se de desvarios do ex-presidente, este revelou continuar a ser foco de confusão, perturbação e desestabilização colocando interesses pessoais à frente do Sporting. Isto mostra porque os poucos apoiantes que ainda tem o vão abandonando."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.