Cabeça de Umtiti bate Bélgica e põe França na final

Os franceses vão disputar a sua terceira final de um campeonato do Mundo.

A França derrotou a Bélgica por 1-0, esta terça-feira, em encontro das meias-finais disputado no Estádio Krestovsky, em São Petersburgo. O único golo do encontro foi apontado de cabeça por Umtiti aos 51 minutos na sequência de um canto.

Depois da final no Europeu 2016, a equipa de Deschamps conseguiu garantir agora a final do Mundial mostrando que o que aconteceu há dois anos não foi obra do acaso. Num jogo que valia um bilhete para a final entre duas seleções que têm sido protagonistas do futebol ofensivo. Houve Hazard, houve Mbappé, mas também estiveram em evidência os dois guarda-redes.

A primeira oportunidade de golo coube a Eden Hazard (15') que aproveitou uma perda de bola da defesa francesa para rematar cruzado para a baliza de Lloris. O tiro saiu ligeiramente ao lado. A resposta surgiu por Matuidi de meia distância a pôr à prova Courtois. O jogo continuou aberto, equilibrado e as oportunidades dividiam-se. Mas nada que fizesse alterar o marcador até ao intervalo.

A segunda parte começou com o golo da França e, num lance de bola parada, à semelhança de 46 por cento dos golos desta prova. Griezmann marcou o canto na esquerda e Umtiti antecipou-se à marcação de Fellaini, cabeceando para o fundo da baliza.

Depois foi tempo dos gauleses recuarem, fecharem-se e saírem em transições rápidas. A Bélgica tinha mais posse de bola mas não conseguia entrar na área contrária como o selecionador Roberto Martínez queria. Faltou aos belgas a racionalidade demonstrada pelos franceses. E num momento em que se esperava o sufoco de quem estava em desvantagem, foi a equipa de Deschamps a estar perto de fazer o 2-0. Giroud e Tolisso bem tentaram, mas Courtois lá estava para manter a diferença no marcador. De nada lhe valeu, porque faltou fôlego aos homens da frente e o encontro acabou por 1-0.

Este resultado leva a França à sua terceira final num Mundial, depois de 1998 e 2006. Já a geração de ouro belga vê mais uma vez a sua afirmação mundial adiada.

Esta quarta-feira, Croácia e Inglaterra decidirão, a partir das 19.00, quem fará companhia à França na grande final da prova.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.