Ronaldo elogia Juventus: "É diferente de Madrid, aqui é mais uma família"

Português falou ainda da ida para Itália e de Messi... a quem desafiou para se mudar para Itália. CR7 mostrou-se ainda surpreendido com o ambiente "de família" que se vive no clube de Turim. E falou dos filhos, de casamento, das idas à igreja e de umas apostas com Dybala, Mandzukic e Khedira e que metem garrafas de vinho.

Cristiano Ronaldo deu três entrevistas a três jornais italianos - Gazzetta dello Sport, Corriere dello Sport e Tuttosport - em que falou da mudança para a Juventus, do Real Madrid, da nova vida em Itália e de Lionel Messi, a quem gostava de ver dar o mesmo passo que ele e mudar-se para o futebol italiano.

Para começar, o jogador português diz que se sente "ótimo" em Itália. "Turim é diferente de Madrid, mais pequena, bonita. Gosto da cidade, das pessoas, do clube. A Juventus é fantástica, organizada e com jogadores que trabalham duro. Fiquei imediatamente impressionado", elogiou o extremo, lembrando que quando decidiu sair do Real Madrid "tinha tantas opções", mas que acabou por escolher a Juve, "um clube sólido, que nos últimos anos jogou duas finais da Liga dos Campeões, venceu sete campeonatos consecutivos".

Quando escolheu a vecchia signora "não sabia, a 100% que a Juventus era o melhor clube, também porque tinha estado nove anos no Real Madrid", mas agora tem "100% de certeza" de que fez "a melhor escolha". E quando questionado porquê respondeu: "Este é o melhor grupo em que já joguei. Aqui somos uma equipa, noutros sítios há alguns que se sentem maiores que os outros, mas aqui eles estão todos na mesma linha, são humildes e querem vencer."

O bom ambiente na equipa é geral e isso surpreendeu Ronaldo. "Se Dybala ou Mandzukic não marcarem, ainda os verá felizes, a sorrir. Para mim é lindo, percebo a diferença. Em Madrid também são humildes, mas aqui ... É muito diferente de Madrid, aqui é mais uma família", revelou CR7, dando um exemplo do espírito de grupo que existe em Turim: "Eu faço essas apostas com o Dybala, o Mandzukic, o Khedira e 99% das vezes ganho, talvez uns euros ou uma garrafa de vinho. No balneário tenho uma coleção com três garrafas e 200-300 euros. "

"Talvez Messi sinta falta de mim ..."

Mas que diferenças vê Ronaldo no futebol italiano? "São pequenos detalhes que fazem a diferença. O Manchester United, o Real Madrid e a Juventus são as melhores equipas nos respetivos países. Em Itália tendemos a defender mais, com maior concentração. Fora do campo, em Espanha, é tudo mais relaxado. Aqui a concentração, dedicação e compromisso são maiores. Mas, no final, o nível de qualidade é semelhante", respondeu o português.

E se encontrar o Real Madrid na Liga dos Campeões, como vai ser?"Para mim é igual. O passado já passou, agora quero ganhar pela Juventus, tenho que defender estas cores e o resto não interessa (...) Se eu jogasse contra o Real, tentaria dar o meu melhor", respondeu o camisola 7 da Juve.

Cristiano Ronaldo foi ainda questionado sobre se sente falta de Messi. "Não, talvez ele sinta falta de mim ... Eu joguei em Inglaterra, Espanha, Itália, Portugal, na seleção, enquanto ele ainda está na Espanha. Talvez ele precise mais de mim... Para mim, a vida é um desafio, eu gosto disso e gosto de fazer as pessoas felizes", confessou o capitão português desafiando o argentino a sair do Barcelona: "Gostaria que ele viesse para a Itália um dia. Que, como eu, aceite o desafio. No entanto, se ele está feliz lá, eu respeito. Ele é um jogador fantástico, boa pessoa, mas eu não sinto falta de nada aqui. Esta é a minha nova vida e estou feliz."

Já sobre a Bola de Ouro entregue este ano a Luka Modric, o internacional português assumiu a desilusão por não ganhar, mas nada de "fantasmas" ou "obsessão". "Acho que mereço ganhar a Bola de Ouro todos os anos, trabalho para isso. Mas se não ganhar, não é o fim do mundo. Respeito a decisão. Em campo fiz tudo para ganhar, os números não mentem, mas não sou menos feliz se não vencer. Tenho amigos fantásticos, família, jogo num dos melhores clubes do mundo, acham que vou para casa chorar? É claro que estou dececionado, mas a vida continua e continuarei a trabalhar duro. Dou os parabéns ao Modric, ele merece, mas no próximo ano vemo-nos novamente, farei tudo para estar lá novamente", afirmou Ronaldo.

Vida pessoal, casamentos e filhos

A vida pessoal também foi abordada nas entrevistas. A começar pelo filho mais velho: "O Cristiano [Cristianinho] tem noção da minha fama. Joga na Juventus, sente essa a pressão. Mas fica feliz por o pai ser uma estrela. Às vezes pede-me: "posso levar dois amigos italianos lá a casa?" Digo-lhe que sim, mas depois avisa-me: "tens de lá estar, porque querem tirar fotos contigo." Tudo isto faz parte do meu papel de pai. O Cristianinho quer ser como eu, os outros são muito pequenos, mas vão sentir essa pressão cedo", contou o pai Cri

O português namora com Georgina, a espanhola mãe da filha mais nova, mas ainda não pensa em casamento: "Agora não, mas eu explico tudo. Vou à igreja todas as semanas. Sou católico e vou agradecer a Deus pelo que me dá. Não peço nada, graças a Deus tenho tudo, simplesmente agradeço-lhe por proteger a minha família, os meus amigos. Mudo de igreja todas as semanas, porque em Turim posso escolher. Um paparazzo viu-me uma vez e pensou que me ia casar. No futuro não sei se vai acontecer, mas agora não está nos meus planos."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.