Praxe de Cristiano Ronaldo na Juventus: cantar "Minha casinha" (vídeo)

Já João Cancelo cantou "Vem morena", do MC Rael. Portugueses estreiam-se pela Juve no sábado, às 17.00, frente ao Chievo em Verona.

Em Itália continua a loucura à volta de Cristiano Ronaldo e a estreia no Calcio. Tudo o que diz respeito a CR7 vira sucesso imediato nas redes sociais. Desta vez foi a praxe do melhor jogador do Mundo, na Juventus, a dar que falar. A praxe foi feita em português e ao som de "Minha Casinha" dos Xutos & Pontapés. A música já tinha sido entoada aquando da apresentação do português enquanto jogador do Real Madrid, em 2009, e usada nos festejos do título europeu de seleções, no Euro 2016.

João Cancelo, que esta época trocou o Inter pela Juve, também teve de subir ao palco e optou por uma música brasileira: "Vem morena", do MC Rael.

Os vídeos das atuações artísticas dos portugueses acabaram nas redes sociais para delícia dos fãs dos jogadores. No sábado, ambos têm estreia marcada pela Juventus, às 17:00, frente ao Chievo, em Verona.

A essa hora o mundo estará de olhos postos em Verona, o que levará a autarquia a tomar medidas de segurança extraordinárias. A autarquia está preocupada com eventuais incidentes e por isso decidiu mesmo adotar procedimentos antiterrorismo. "O jogo vai assumir uma importância global e haverá unidades antiterrorismo nas ruas", contou o vice-presidente da autarquia de Verona, Angelo Sidoti, à imprensa italiana, aconselhando os cerca de 30 mil adeptos que têm bilhete para o jogo a deslocarem-se para o estádio a pé.

Ler mais

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."