Reino Unido. Nem a estreia de Ronaldo na Juve quebrou 'blackout' das TVs

ATUALIZADA. A regra imposta impede a transmissão em direto de eventos desportivos ao sábado, entre as 14:45 e as 17:15. Houve pressão, mas a Eleven Sports não mudou de política

A estreia de Cristiano Ronaldo pela Juventus na liga italiana, este sábado, esteve em vias de quebrar uma regra com meio século que proíbe a transmissão de jogos de futebol ao vivo durante as 14:45 e as 17:15, aos sábados, em Inglaterra e na Escócia. Mas o operador com os direitos de transmissão para estas regiões não sucumbiu à pressão para que as imagens fossem para o ar.

A regra foi imposta na década de 60, quando havia a preocupação de que a transmissão televisiva de desportos levasse a que menos pessoas comprassem bilhetes para assistir aos jogos nos estádios, uma diretiva que ainda é respeitada pela maioria das cadeias televisivas no Reino Unido, que não transmitem futebol profissional e encontros estrangeiros durante este período.

A notícia foi avançada pela Bloomberg, que confirmou depois a intenção da Eleven Sports britânica em não transmitir o jogo, optando por preencher o tempo com comentário e análise da partida.

Um 'blackout' que, ainda segundo a Bloomberg, afetou inclusivamente o Facebook, que tem um acordo de transmissão por streaming dos jogos da Eleven Sports mas que terá bloqueado o sinal para partes do Reino Unido.

A Juventus disputa o primeiro jogo da liga italiana com o A. C. Chievo Verona, a partir das 17:00 - hora de Portugal continental e também do Reino Unido -, sendo um dos poucos jogos que não vai ser adiado depois do colapso de uma ponte em Génova, na terça-feira.

(Notícia atualizada sábado, 18 de agosto)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.