Portugal com ouro e prata na Bélgica vence Taças do Mundo de ginástica acrobática

Portugal conquistou a medalha de ouro em pares femininos e a de prata nos grupos masculinos nas finais da Taça do Mundo de ginástica acrobática, na Bélgica, e em ambos venceu o Circuito de Taças do Mundo.

O par feminino formado por Rita Ferreira e Ana Rita Teixeira, do Acro Clube da Maia, alcançou, com o exercício de combinado, os 28.320 pontos, e com este resultado conquistou não só o primeiro lugar como o Circuito de Taças do Mundo.

O grupo masculino composto por Henrique Piqueiro, Henrique Silva, Frederico Silva e Miguel Silva, do Acro Clube da Maia, apresentou um exercício de combinado que lhes garantiu o segundo lugar do pódio, atrás da China, e conquistou ainda a vitória no Circuito de Taças do Mundo.

O grupo feminino formado pelas ginastas Bárbara Sequeira, Francisca Maia e Francisca S. Maia, também do Acro Clube da Maia, alcançou o quinto lugar, com 28.470 pontos, tendo o pódio sido composto pela Rússia (1.º) e Bélgica (2.º e 3.º).

A equipa Mariana Candeias, Raquel Ferreira e Madalena Cavilhas, do Ginásio Clube Português, obteve 22.470 pontos, num exercício de combinado em que apresentou algumas falhas, mas mostrou melhorias desde a última Taça do Mundo.

O par misto Bruno Tavares e Carolina Dias, do Acro Clube da Maia, alcançou, com o exercício de combinado, os 28.010 pontos e obteve o quinto lugar. O pódio foi constituído pela Rússia (1.º e 2.º) e Cazaquistão (3.º).

Os ginastas portugueses continuam agora a fase de apuramento para o Campeonato da Europa que irá decorrer em outubro em Holon, em Israel.

.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.