Portugal com ouro e prata na Bélgica vence Taças do Mundo de ginástica acrobática

Portugal conquistou a medalha de ouro em pares femininos e a de prata nos grupos masculinos nas finais da Taça do Mundo de ginástica acrobática, na Bélgica, e em ambos venceu o Circuito de Taças do Mundo.

O par feminino formado por Rita Ferreira e Ana Rita Teixeira, do Acro Clube da Maia, alcançou, com o exercício de combinado, os 28.320 pontos, e com este resultado conquistou não só o primeiro lugar como o Circuito de Taças do Mundo.

O grupo masculino composto por Henrique Piqueiro, Henrique Silva, Frederico Silva e Miguel Silva, do Acro Clube da Maia, apresentou um exercício de combinado que lhes garantiu o segundo lugar do pódio, atrás da China, e conquistou ainda a vitória no Circuito de Taças do Mundo.

O grupo feminino formado pelas ginastas Bárbara Sequeira, Francisca Maia e Francisca S. Maia, também do Acro Clube da Maia, alcançou o quinto lugar, com 28.470 pontos, tendo o pódio sido composto pela Rússia (1.º) e Bélgica (2.º e 3.º).

A equipa Mariana Candeias, Raquel Ferreira e Madalena Cavilhas, do Ginásio Clube Português, obteve 22.470 pontos, num exercício de combinado em que apresentou algumas falhas, mas mostrou melhorias desde a última Taça do Mundo.

O par misto Bruno Tavares e Carolina Dias, do Acro Clube da Maia, alcançou, com o exercício de combinado, os 28.010 pontos e obteve o quinto lugar. O pódio foi constituído pela Rússia (1.º e 2.º) e Cazaquistão (3.º).

Os ginastas portugueses continuam agora a fase de apuramento para o Campeonato da Europa que irá decorrer em outubro em Holon, em Israel.

.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.