Neymar depõe sobre divulgação de imagens de mulher que o acusa de violação

Jogador foi ouvido durante quase duas horas e não respondeu a perguntas dos jornalistas à saída.

O futebolista brasileiro Neymar prestou na quinta-feira depoimentos numa esquadra do Rio de Janeiro, no âmbito de uma investigação sobre a partilha de imagens íntimas da mulher que o acusa de violação.

De acordo com o portal G1, do grupo Globo, Neymar foi ouvido durante quase duras horas e não respondeu a perguntas dos jornalistas à saída, mas agradeceu as manifestações de apoio que tem recebido.

"Quero agradecer aos fãs, amigos, obrigado pelo carinho. Só quero agradecer o carinho de todos", afirmou o jogador do Paris Saint-Germain.

A advogada Maira Fernandes, que representa o avançado brasileiro, afirmou que o jogador "está calmo" e "prestou todos os esclarecimentos" às autoridades, e voltou a insistir na inocência do futebolista, acusado de violação pela modelo Najila Trindade.

O astro da seleção brasileira, de 27 anos, chegou à esquadra de cadeira de rodas, depois de se ter lesionado na quarta-feira à noite, num jogo em que o Brasil venceu o Qatar, na capital brasileira, uma lesão que o deixa de fora da Copa América.

O jogador foi chamado a depor depois de ter publicado, no sábado, um vídeo em que tornou públicas as conversas que manteve por escrito - entre março e maio - com a alegada vítima de violação, bem como fotos íntimas da mesma, em reação à denúncia de violação que a mulher fez na sexta-feira numa esquadra de polícia em São Paulo.

No Brasil é crime oferecer, partilhar, transmitir, vender, distribuir, publicar ou divulgar imagens ou vídeos de conteúdo sexual por qualquer meio sem o consentimento da vítima, com a pena prevista a estender-se entre um e cinco anos de prisão, tempo que pode aumentar caso essa ação tenho por base motivos de vingança ou humilhação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.