Marta Paço, cega de nascença, ganha medalha de bronze no Mundial de surf adaptado

Surfista portuguesa invisual, de 13 anos, terminou a final nos EUA com 3,73 pontos.

A surfista portuguesa Marta Paço, de 13 anos, conquistou no domingo a medalha de bronze na classe AS-VI no Mundial de surf adaptado, que decorreu em La Jola, nos Estados Unidos.

Marta Paço, cega de nascença, terminou a final com 3,73 pontos, menos 11,11 pontos do que a vencedora, a britânica Melissa Reid.

A jovem surfista chega ao bronze no Mundial de surf adaptado um ano depois de começar a competir, em dezembro do ano passado, pelo Surf Clube de Viana do Castelo, como revelou à Surf Total antes de viajar para os EUA.

Marta Paço disse na altura que sentia "orgulhosa" pela chamada à seleção nacional de surf adaptado, algo de que "não estava à espera". E, desta vez, os nervos não colocaram obstáculos. "No início eu ficava muito nervosa na competição, mas agora adoro a sensação de competir", afirmou à mesma publicação.

Em entrevista à RTP, Marta Paço disse que estar na prancha e dentro de água a fazia sentir "muita liberdade", até porque "na água não há obstáculos". "O surf foi uma grande oportunidade para mim", frisou.

Na competição para atletas tetraplégicos, Nuno Vitorino terminou a final na quarta posição, a menos de um ponto da australiana Samantha Bloom, que foi terceira classificada.

Nuno Vitorino, que é também fundador da SURFaddict (Associação Portuguesa de Surf Adaptado), tornou-se no ano passado o primeiro português a participar no Mundial de surf adaptado.

Portugal esteve representado na competição, que decorreu na praia australiana de La Jola, pelos atletas Marta Paço, Nuno Vitorino e Camilo Abdula, que foi afastado nas eliminatórias.

O Mundial de surf adaptado, que contou com atletas de mais de 25 países, foi criado para dar aos surfistas com desafios físicos a oportunidade de participarem numa competição mundial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.