Maratona de Lisboa dá 500 mil euros a quem bater o recorde do mundo

A sexta edição da maratona de Lisboa vai entregar 500.000 euros ao atleta masculino e feminino que bater o recorde do mundo, o maior prémio jamais atribuído em Portugal em provas de atletismo, anunciou a organização.

O valor destinado ao novo recordista mundial - que ascenderá a um milhão de euros, caso o máximo seja batido nos dois setores -, contrasta com a dificuldade de financiamento que os responsáveis pela maratona lisboeta sentiram para colocar a prova na estrada, em 14 de outubro.

"Vamos ter uma prova altamente competitiva, mas nunca poderemos pensar mais em trazer os grandes nomes do atletismo mundial. Não há verba", lamentou Carlos Móia, presidente do Maratona Clube de Portugal, durante a apresentação da competição, em Lisboa.

O responsável pela entidade organizadora dificilmente terá de preencher os cheques com prémios que serão também dos mais elevados a nível internacional, em função da qualidade dos atuais máximos mundiais e das melhores marcas dos participantes na edição de 2018.

O etíope Girmay Gebru terá de retirar quase três minutos ao seu melhor registo, de 2:05.49, para superar o recorde de 2:02.57, estabelecido em 2014 pelo queniano Dennis Kimetto, enquanto a compatriota Gutheni Shone, que ostenta 2:23.32, está ainda mais distante do máximo mundial da britânica Paula Radcliffe, de 2:15.25, fixado em 2003.

A organização destaca ainda a presença de 20 atletas de elite mundial, com categoria 'gold' da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), destacando o italiano Yassine Rachik, natural de Marrocos, que esta ano conquistou a medalha de bronze nos Europeus de Berlim.

A maratona de Lisboa de 2018 conta já com 5.000 inscrições, 3.500 das quais de participantes estrangeiros, estando a partida marcada para as 08:00 horas, em Cascais, e a meta instalada na Praça do Comércio, em Lisboa, depois de passar também por Oeiras.

A vice-presidente do Instituto Português do Desporto e Juventude, Sónia Paixão, na primeira intervenção pública desde que assumiu o cargo, elogiou os três municípios pelo "enriquecimento da programação desportiva em Portugal".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.