Maratona de Lisboa dá 500 mil euros a quem bater o recorde do mundo

A sexta edição da maratona de Lisboa vai entregar 500.000 euros ao atleta masculino e feminino que bater o recorde do mundo, o maior prémio jamais atribuído em Portugal em provas de atletismo, anunciou a organização.

O valor destinado ao novo recordista mundial - que ascenderá a um milhão de euros, caso o máximo seja batido nos dois setores -, contrasta com a dificuldade de financiamento que os responsáveis pela maratona lisboeta sentiram para colocar a prova na estrada, em 14 de outubro.

"Vamos ter uma prova altamente competitiva, mas nunca poderemos pensar mais em trazer os grandes nomes do atletismo mundial. Não há verba", lamentou Carlos Móia, presidente do Maratona Clube de Portugal, durante a apresentação da competição, em Lisboa.

O responsável pela entidade organizadora dificilmente terá de preencher os cheques com prémios que serão também dos mais elevados a nível internacional, em função da qualidade dos atuais máximos mundiais e das melhores marcas dos participantes na edição de 2018.

O etíope Girmay Gebru terá de retirar quase três minutos ao seu melhor registo, de 2:05.49, para superar o recorde de 2:02.57, estabelecido em 2014 pelo queniano Dennis Kimetto, enquanto a compatriota Gutheni Shone, que ostenta 2:23.32, está ainda mais distante do máximo mundial da britânica Paula Radcliffe, de 2:15.25, fixado em 2003.

A organização destaca ainda a presença de 20 atletas de elite mundial, com categoria 'gold' da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), destacando o italiano Yassine Rachik, natural de Marrocos, que esta ano conquistou a medalha de bronze nos Europeus de Berlim.

A maratona de Lisboa de 2018 conta já com 5.000 inscrições, 3.500 das quais de participantes estrangeiros, estando a partida marcada para as 08:00 horas, em Cascais, e a meta instalada na Praça do Comércio, em Lisboa, depois de passar também por Oeiras.

A vice-presidente do Instituto Português do Desporto e Juventude, Sónia Paixão, na primeira intervenção pública desde que assumiu o cargo, elogiou os três municípios pelo "enriquecimento da programação desportiva em Portugal".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.