Efeito Ronaldo? Português saiu e o Real teve a pior assistência desde 2009

Estádio Santiago Bernabéu teve menos de 50 mil espectadores no primeiro jogo do Real Madrid em casa após a saída de Cristiano Ronaldo. Pior, só na era pré-CR7.

Estabelecer uma relação causa-efeito pode ser abusivo, até porque o fenómeno se estendeu ao jogo do rival Barcelona, mas a verdade é que o Real Madrid entrou no seu primeiro campeonato após a saída de Cristiano Ronaldo com a pior assistência caseira em mais de nove anos.

A receção ao Getafe, na primeira jornada de La Liga 2018-19, contou apenas com 48 446 espectadores no Santiago Bernabéu. Ora, a última vez que o estádio do Real Madrid tinha tido uma assistência abaixo dos 50 mil espectadores aconteceu a 24 de maio de 2009, frente ao Maiorca, precisamente o último jogo antes da chegada do avançado português, contratado nesse verão ao Manchester United.

Além do fator Ronaldo, há outros motivos que ajudam a explicar a fraca assistência no Bernabéu no jogo Real-Getafe. A ausência de uma contratação sonante que gere entusiasmo entre os adeptos é uma delas. O horário da partida, às 22.15 de um domingo, será outra. Bem como o preço das entradas, entre os 40 e os 125 euros.

Como atenuante a esta fraca assistência, só o facto de o rival Barcelona também ter tido o mesmo problema no seu jogo com o Alavés: 52 356 espectadores em Camp Nou, o pior registo da última década num primeiro jogo da época em casa.

De resto, a tendência vem sendo acentuada nos últimos anos, de acordo com o diário espanhol Marca, que refere que as médias de assistência nos dois estádios têm baixado consecutivamente desde a época 2015-16.

Já em Itália, pelo contrário, o Chievo Verona-Juventus que assinalou a estreia de Ronaldo na Série A italiana esgotou a lotação com vários dias de antecedência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.