E-Toupeira. Arguido Júlio Loureiro nega todas as acusações

"Considero-me inocente, não cometi qualquer tipo de crime", disse esta sexta-feira o oficial de justiça arguido no processo e-toupeira

O oficial de justiça Júlio Loureiro, um dos arguidos no processo e-toupeira, garantiu esta sexta-feira que está inocente e negou todas as acusações que lhe são imputadas pelo Ministério Público (MP).

"Nunca tive acesso a nenhum processo, nunca pesquisei nenhuma base de dados, considero-me inocente, não cometi qualquer tipo de crime. Sinto-me tranquilo", disse Júlio Loureiro em declarações à SIC, à entrada do Tribunal de Guimarães, onde continua a trabalhar.

Na terça-feira, o MP acusou a SAD do Benfica e o seu assessor jurídico Paulo Gonçalves, e os funcionários judiciais Júlio Loureiro e José Silva de vários crimes, incluindo corrupção, favorecimento pessoal, peculato e falsidade informática, no âmbito do caso "e-toupeira".

Em causa estão os crimes de corrupção passiva, corrupção ativa, e oferta ou recebimento indevido de vantagem. Favorecimento pessoal, violação do segredo de justiça, violação de segredo por funcionário, peculato, acesso indevido, violação do dever de sigilo e falsidade informática são os outros crimes imputados aos acusados.

O arguido Júlio Loureiro, escrivão e observador de árbitros, está acusado de 76 crimes: um de corrupção passiva, um de recebimento indevido de vantagem, um de favorecimento pessoal, seis de violação de segredo de justiça, 21 de violação de segredo por funcionário, nove de acesso indevido, nove de violação do dever de sigilo e de 28 crimes de falsidade informática.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...