Bruno de Carvalho assume ter "saudades" dos jogadores

O ex-presidente do Sporting admitiu no Facebook que mandou mensagens aos atletas depois do jogo com o Moreirense e antes da partida com o V. Setúbal

Bruno de Carvalho confirmou esta segunda-feira, através da sua página no Facebook, que enviou mensagens aos jogadores do Sporting depois do jogo com o Moreirense, da 1ª jornada da Liga, e antes da partida com o V. Setúbal, da 2ª ronda.

O ex-presidente dos leões justificou esta sua atitude "por respeito" pelos cinco anos em que trabalhou com os atletas, mas também por uma outra razão: "Tenho saudades deles. Saudades de estar ali, de poder dar a minha quota parte de ajuda, de poder ser mais um naquele anel mágico antes de cada jogo, de poder ser a voz de todos os sportinguistas em todas as modalidades do clube, exigindo atitude e compromisso totais pois queremos ser felizes."

Bruno de Carvalho reconheceu que sempre foi seu hábito enviar mensagens aos jogadores, revelando que após o jogo com o Moreirense foi para "dar os parabéns pelo excelente resultado", enquanto a que antecedeu a partida com os sadinos visou "um suposto mau estar" relacionado com o seu regresso à presidência leonina, após a exigência do ex-líder em Alvalade em reocupar a liderança, no final da semana passada. "Jamais lhes poderia querer fazer mal e mostrando que o futebol é uma festa onde a vitória trás a alegria suprema! Desejei que vencessem este primeiro jogo em casa pelo Sporting e pelos seus associados", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.