Bruno de Carvalho arrisca expulsão de sócio

Antigo presidente foi notificado esta quinta-feira, já depois das 17.00, da nota de culpa que junta os acontecimentos da Assembleia Geral de 23 de junho à tentativa de reassumir a função de presidente na última sexta-feira

Bruno de Carvalho pode vir a ser expulso de sócio do Sporting. O antigo presidente, que cumpre uma pena de suspensão, foi notificado esta quinta-feira à tarde, já depois das 17.00, da nota de culpa, soube o DN junto de fonte bem colocada no processo.

Os factos, considerados graves pela Comissão de Fiscalização, são extensivos a outros dois elementos do seu anterior Conselho Diretivo, Alexandre Godinho e Luís Gestas. A dita comissão juntou os acontecimentos da última Assembleia, na qual Bruno de Carvalho e o seu elenco foram destituídos, aos últimos episódios ocorridos na derradeira sexta-feira na qual Bruno de Carvalho se dirigiu a Alvalade para tentar reassumir o cargo de presidente.

Na Assembleia de 23 de junho Bruno de Carvalho, Alexandre Godinho e Luís Gestas entraram no espaço da Altice Arena tendo votado, alegadamente indevidamente pois encontravam-se suspensos.

A nota de culpa não revela qualquer indicação de sanção mas a hipótese de Bruno de Carvalho ser expulso, em caso de prova das ditas infrações, é muito grande, apurou o DN.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.