Augusto Inácio condenado a pagar indemnização a Pedro Barbosa

Treinador vai decidir com o seu advogado um eventual recurso da condenação de um Tribunal de primeira instância ao pagamento de 20 mil euros de indemnização por ter ofendido o antigo futebolista Pedro Barbosa.

"O pedido inicial de indemnização era de 40 mil euros e ficou pela metade. Foi um empate através de uma sentença salomónica", referiu à agência Lusa o treinador Augusto Inácio, que vai reunir com o advogado para "decidir o passo seguinte" e se vai ou não recorrer.

O processo remonta a fevereiro de 2018 e entre as acusações de Inácio está a crítica a Pedro Barbosa, que jogou no Sporting durante 10 anos, por ter agido contra os interesses do clube, incluindo ter forçado uma expulsão num Benfica-Sporting (3-0), em 2000/01.

De acordo com Augusto Inácio, este e outros momentos funcionaram para o afastar do comando técnico da equipa 'verde e branca'.

"Não fui condenado por mentir nem caluniar, mas por beliscar o bom nome do [Pedro] Barbosa", considerou Augusto Inácio, acrescentando que se fosse hoje provavelmente não o diria da forma como o fez.

Pedro Barbosa acusou o antigo técnico, que o orientou nas épocas de 1999/2000, na qual se sagraram campeões nacionais, e 2000/01, de prestar "declarações falsas e caluniosas" e avançou para o processo judicial que teve agora o seu desfecho.

"Após 18 anos, e do nada, Augusto Inácio vem, incompreensível e gratuitamente, tecer considerações inverídicas e maldizentes", afirmou, na altura, o antigo internacional português, num esclarecimento enviado à agência Lusa.

A sentença refere que as declarações que Inácio fez "são vexatórias para qualquer atleta que se preze" e o seu intuito só pode ser o de "dizer mal, de denegrir a reputação, o caráter, a imagem e o bom nome de Pedro Barbosa no seio da comunidade desportiva".

"Dizer que um futebolista tudo fez para que a sua equipa perdesse, é, certamente, a ofensa mais grave que se pode fazer do ponto de vista profissional", refere a sentença.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.