Aos 60 anos, Rosa Mota vence em Macau: "Não tinha nada que fazer, resolvi participar"

Campeã olímpica da maratona dos Jogos de Seul, em 1988, conta ao DN como ganhou a mini-maratona e que mantém o espírito competitivo aos 60 anos

Estamos em 2018 mas uma das notícias deste domingo é a vitória de Rosa Mota numa prova internacional, neste caso a mini-maratona de Macau. Aos 60 anos e três décadas depois de ter conquistado a medalha olímpica na maratona dos Jogos de Seul, na Coreia do Sul, a antiga atleta foi a primeira a cortar a meta após 5.200 metros em 22:02 minutos.

"Foi ótimo. Têm aqui a mini-maratona, não tinha nada que fazer e resolvi participar. Continuo a gostar de correr mas só faço distâncias curtas, até 10 quilómetros", sintetizou ao DN a sempre simpática ex-campeã do mundo e da Europa, que foi convidada pela organização da 37.ª Maratona Internacional para assumir o papel de embaixadora anti-doping. "Fizemos uma ação de sensibilização para os atletas e explicámos o que é o controlo antidoping. Achei muito interessante e nunca tinha visto tal noutro lado do mundo. A batota e o doping existem, mas temos de tentar acabar com eles", acrescentou, agrada com a organização.

Sobre a sua prova, a antiga maratonista explicou o triunfo em solo macaense. "Iam três atletas jovens à minha frente. Aos 1000 metros passei uma, depois passei outra e aos 2500 metros isolei-me na frente. Quando entrei no estádio, tentei não perder. Não ganhei com um avanço muito grande. Se puder ganhar, não vamos deixar ganhar os outros", narrou a veterana atleta, que admitiu que já não faz treinos de séries mas não quis alongar-se sobre as rotinas e métodos de treino que leva aos 60 anos para se apresentar bem preparada nas corridas.

Há dois anos, já tinha vencido a mesma prova, então com 24:27 minutos, um tempo superado este domingo.

Portugueses no Top 10

A mini-maratona, assim como a meia-maratona, integraram o programa da 37.ª Maratona Internacional de Macau.

Os atletas portugueses Vera Nunes e João Antunes concluíram a maratona na sexta (femininos) e oitava (masculinos) posições, respetivamente. Na meia-maratona, tanto António Rocha como Carla Martinho garantiram o terceiro lugar nas provas masculina e feminina, respetivamente.

Os atletas quenianos venceram as provas masculinas e femininas da maratona e da meia-maratona.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.