Alemanha e França empatam a zero em Munique

Os franceses fizeram o primeiro jogo depois de conquistarem o título mundial e podem agradecer ao guarda-redes Areola terem saído de Munique sem uma derrota

Alemanha e França empataram 0-0, esta quinta-feira em Munique, no jogo inaugural da Liga das Nações da UEFA, a contar para o Grupo 1 da Liga A.

Aos franceses, que fizeram o primeiro jogo após se sagrarem campeões do mundo na Rússia, valeu o guarda-redes Alphonse Areola, que rendeu o habitual titular Hugo Lloris, que fez uma excelente exibição, sobretudo na segunda parte.

Na Liga B, a Ucrânia foi à República Checa vencer por 2-1, em partida relativa ao Grupo 1, tendo a equipa da casa estado a vencer graças a um golo de Patrik Schick, tendo Konoplyanka e Zinchenko dado a volta ao marcador.

Já para o grupo 4, o País de Gales entrou com o pé direito nesta nova competição da UEFA, ao golear, em Cardiff, a República da Irlanda por 4-1. Pelos galeses marcaram Tom Lawrence, Gareth Bale, Aaron Ramsey e Connor Roberts, tendo Shaun Williams feito o golo dos irlandeses.

Nesta noite de seleções esteve também em destaque a Bulgária, que em jogo relativo ao Grupo 3 da Liga C, foi à Eslovénia vencer por 2-1, enquanto a Noruega venceu o Chipre por 2-0.

Resultados da Liga das Nações da UEFA:

Liga A - Grupo 1
Alemanha-França, 0-0

Liga B - Grupo 1
Rep. Checa-Ucrânia, 1-2

Liga B - Grupo 4
País de Gales-Rep. Irlanda, 4-1

Liga C - Grupo 3
Noruega-Chipre, 2-0
Eslovénia-Bulgária, 1-2

Liga D - Grupo 1
Cazaquistão-Geórgia, 0-2
Letónia-Andorra, 0-0

Liga D - Grupo 4
Arménia-Liechtenstein, 2-1
Gibraltar-Macedónia, 0-2

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."