15% da população croata receberam heróis da seleção em Zagreb

Segundo a polícia local, cerca de 550 mil pessoas, cerca de 15 por cento da população do país, receberam os jogadores na capital

Apesar de terem perdido a final do Campeonato do Mundo frente a à França, jogadores e técnicos croatas foram recebidos como autênticos heróis em Zagreb.

Segundo a polícia local, os vice-campeões mundiais foram recebidos nas ruas da capital por cerca de 550 mil pessoas, o que equivale a 15 por cento da população do país.

O autocarro de dois andares que transportava a comitiva da seleção da Croácia demorou cinco horas a fazer a viagem entre o aeroporto e a Praça Jelacic, no centro da cidade.

Recorde-se que, com o segundo lugar alcançado na Rússia, a seleção balcânica alcançou o seu melhor resultado num Campeonato do Mundo, superando a terceira posição da edição de 1998, em França.

Além de os jogadores croatas terem dado nas vistas com o seu futebol no interior das quatro linhas, a presidente do país esteve em destaque no exterior, assistindo aos jogos na tribuna com a camisola da seleção e fazendo questão de cumprimentar os jogadores no balneário após o apuramento para a final e no centro do relvado aquando da entrega de prémios, apesar da forte chuva que se fazia sentir em Moscovo.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.