15% da população croata receberam heróis da seleção em Zagreb

Segundo a polícia local, cerca de 550 mil pessoas, cerca de 15 por cento da população do país, receberam os jogadores na capital

Apesar de terem perdido a final do Campeonato do Mundo frente a à França, jogadores e técnicos croatas foram recebidos como autênticos heróis em Zagreb.

Segundo a polícia local, os vice-campeões mundiais foram recebidos nas ruas da capital por cerca de 550 mil pessoas, o que equivale a 15 por cento da população do país.

O autocarro de dois andares que transportava a comitiva da seleção da Croácia demorou cinco horas a fazer a viagem entre o aeroporto e a Praça Jelacic, no centro da cidade.

Recorde-se que, com o segundo lugar alcançado na Rússia, a seleção balcânica alcançou o seu melhor resultado num Campeonato do Mundo, superando a terceira posição da edição de 1998, em França.

Além de os jogadores croatas terem dado nas vistas com o seu futebol no interior das quatro linhas, a presidente do país esteve em destaque no exterior, assistindo aos jogos na tribuna com a camisola da seleção e fazendo questão de cumprimentar os jogadores no balneário após o apuramento para a final e no centro do relvado aquando da entrega de prémios, apesar da forte chuva que se fazia sentir em Moscovo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.