15% da população croata receberam heróis da seleção em Zagreb

Segundo a polícia local, cerca de 550 mil pessoas, cerca de 15 por cento da população do país, receberam os jogadores na capital

Apesar de terem perdido a final do Campeonato do Mundo frente a à França, jogadores e técnicos croatas foram recebidos como autênticos heróis em Zagreb.

Segundo a polícia local, os vice-campeões mundiais foram recebidos nas ruas da capital por cerca de 550 mil pessoas, o que equivale a 15 por cento da população do país.

O autocarro de dois andares que transportava a comitiva da seleção da Croácia demorou cinco horas a fazer a viagem entre o aeroporto e a Praça Jelacic, no centro da cidade.

Recorde-se que, com o segundo lugar alcançado na Rússia, a seleção balcânica alcançou o seu melhor resultado num Campeonato do Mundo, superando a terceira posição da edição de 1998, em França.

Além de os jogadores croatas terem dado nas vistas com o seu futebol no interior das quatro linhas, a presidente do país esteve em destaque no exterior, assistindo aos jogos na tribuna com a camisola da seleção e fazendo questão de cumprimentar os jogadores no balneário após o apuramento para a final e no centro do relvado aquando da entrega de prémios, apesar da forte chuva que se fazia sentir em Moscovo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.