Mãe de criança com leucemia pediu: "Venha dar-nos um sorriso no Natal". E CR7 foi

Cristiano Ronaldo e Georgina Rodriguez visitaram na véspera de Natal o Hospital Pediátrico Regina Margherita, em Turim, onde Gabriel, de 10 anos, está internado desde junho.

Véspera de Natal. Ninguém acreditava no Hospital Pediátrico Regina Margherita que fosse possível, mas o craque CR7 fez com que esse sonho se realizasse.

Na tarde de dia 24, Cristiano Ronaldo e Georgina Rodriguez entraram naquele hospital de Turim para visitar as crianças internadas no serviço de oncologia. Distribuíram sorrisos a todas, mas iam ver uma criança em especial.

A visita, acompanhada pelo diretor clínico do hospital, Giovanni La Valle, e a diretora do departamento, a professora Franca Fagioli, foi um presente de Natal para Gabriel, de 10 anos, que sofre de leucemia mielóide aguda e que está internado há seis meses.

Gabriel sonhava com uma visita do craque português que amanhã, dia de São Stefano, vai jogar em Bergamo, contra o clube da terra, o Atalanta.

A mãe de Gabriel, Daniela, fez então um apelo à Juventus e a Cristiano Ronaldo, que o fossem visitar e lhe dessem um sorriso neste Natal: "Eu sou a mãe de Gabriel, uma linda criança de dez anos que, infelizmente, desde o último dia 20 de junho, está internada para jogar o jogo mais difícil, o da vida. O seu adversário é a chamada leucemia mielóide aguda", escreveu no seu apelo.

Daniela contava a história do filho que, neste mês de dezembro fez o último ciclo de quimioterapia e que, a partir de agora, vai ter de esperar para que "tudo se resolva da melhor maneira".

A mãe contava que Gabriel tinha um desejo: sendo fã da Juventus, gostaria muito de ter a visita de Cristiano Ronaldo ou de algum outro jogador do clube, já que os seus 26 jogadores estão em Bergamo para jogar contra o Atalanta. E dizia: "Eu sei que não é fácil, mas para ele seria o mais belo presente de Natal."

Ronaldo foi e levou Georgina. Para a história de Gabriel fica a foto de família, para provar que aconteceu mesmo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.