Futebol de praia conquista terceira medalha de ouro para Portugal em Minsk

Seleção nacional bateu a Espanha na final por 8-3 e somou a terceira medalha de ouro nos Jogos Europeus, após Fu Yu e Carlos Nascimento terem vencido no ténis de mesa e nos 100 metros, respetivamente

Portugal conquistou esta sexta-feira a medalha de ouro no torneio de futebol de praia dos Jogos Europeus, ao golear a Espanha por 8-3.

Lorenzo Goméz, aos dois minutos, e Javier Torres, aos sete, deram vantagem à seleção espanhola, mas Bernardo Martins, aos 15 e 32, Leo Martins, 17, 22 e 26, o guarda-redes Andrade, aos 24, Madjer, aos 25, e Jordan Santos, aos 30, concretizaram a reviravolta lusa. Mayor Hernandéz ainda reduziu a desvantagem e fixou o resultado em 8-3, aos 33.

Há quatro anos, em Baku, a seleção portuguesa tinha ido para casa com a medalha de bronze.

Portugal conquistou, até ao momento, 15 medalhas: três medalhas de ouro, pela seleção de futebol de praia, por Fu Yu em ténis de mesa e Carlos Nascimento nos 100 metros; seis de prata, pela equipa de judo, pelo ciclista Nelson Oliveira no contrarrelógio, pelas ginastas acrobatas Bárbara Sequeira, Francisca Maia e Francisca Sampaio Maia, nas provas de combinado e de exercício dinâmico, e por Fernando Pimenta, em K1 1.000 e K1 5.000 metros; e seis de bronze: a equipa masculina de ténis de mesa, Patrícia Esparteiro no karaté, as três ginastas na prova de equilíbrio, a judoca Telma Monteiro (-57 kg), a estafeta mista dos 4x400 metros e Diogo Ganchinho nos trampolins.

"Nunca nos passou pela cabeça ser prata"

O capitão da seleção portuguesa de futebol de praia, Majder, revelou após a goleada 8-3 sobre a Espanha na final dos II Jogos Europeus, que nunca lhe passou pela cabeça sair de Minsk com a medalha de prata. "Em Baku 2015 fomos bronze. Publicamente, dissemos que queríamos fazer melhor e a verdade é que nunca nos passou pela cabeça ser prata", disse, no fim do encontro que deu a Portugal a terceira medalha de ouro na Bielorrússia.

A Espanha foi mais consistente no primeiro período que acabou a vencer por 2-0, contudo a reviravolta épica nada tem de diferente por ser frente ao rival ibério. "Este ouro sabe da mesma forma do que se fosse contra outra seleção, é ouro", vincou, elogiando a "grande seleção" adversária.

Madjer diz que este sábado nada pararia os lusos: "A Espanha tem uma grande seleção, e parabéns pelo trabalho que tem vindo a realizar, mas nós vínhamos mentalizados para levar o ouro. E ficou provado que, quando nós jogamos unidos, dificilmente nos ganham".

O experiente futebolista marcou, em pontapé de saída, o 5-2 que "travou a reação que poderia ter acontecido", enaltecendo a "excelente resposta" da equipa nos segundo e terceiro períodos. "O segredo está na união, na entreajuda, no espírito de sacrifício que temos e só assim conseguimos conquistar títulos", concluiu.

Selecionador espanhol rendido

O selecionador português, Márcio Narciso, desvalorizou a recuperação de Portugal de 0-2 para 8-3, classificando-a como "normal no futebol de praia", e diz que este ouro "representa muito" para os seus pupilos."Esta medalha de ouro representa muito para nós, para qualquer atleta. Vir a uma competição destas e ganhar o ouro é quase ouro sobre azul... aqui é ouro sobre verde e encarnado", congratulou-se.

Mesmo afónico, o técnico agradeceu o "sacrifício e disponibilidade" dos seus atletas que jogaram praticamente o jogo todo - Bé Martins, Leo Martins, Rui Coimbra e Jordan, além do guarda-redes Elinton -- e a "paciência" dos que ficaram mais tempo no banco. Confidenciou ainda o desabafo do seu homólogo espanhol, Joaquin Alson, no final do jogo: "Nós, hoje, não tínhamos hipótese nenhuma contra vocês".

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, foi um espetador próximo e interventivo da bancada, vibrando com cada golo da reviravolta lusa. "Muitas vezes, uma equipa acaba por sofrer dois ou três golos, abre muito mais e isso implica que sofram mais golos e muitas vezes o resultado não traduz o fosso real entre as duas equipas", comentou. Em jeito de conclusão, resumiu: "Claramente, Portugal jogou muito melhor, está de parabéns, são superatletas que marcam claramente estes Jogos Europeus, mostrando o que muitos dos nossos atletas fizeram".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.