E se Dias Ferreira reeditasse a dupla com Futre?

Ex-dirigente decide esta semana se é candidato. Em 2011 Paulo Futre era o seu diretor desportivo, caso tivesse sido eleito

José Dias Ferreira, que já disse que não se excluía do processo eleitoral em curso, pondera seriamente ir a eleições e vai tomar uma decisão definitiva esta semana. Contudo, esta pode ser apenas meia novidade, a outra metade tem a ver com Paulo Futre, que em 2011 era o diretor desportivo de Dias Ferreira tendo-se notabilizado por uma conferência de imprensa na qual explicou que a prosperidade financeira do Sporting teria muito a ver com os "charters de chineses" que viriam a Portugal para ver jogar o Sporting (ver vídeo em baixo).


Confrontado pelo DN, Paulo Futre diz que não há nada nesse sentido, mas o nosso jornal sabe que existem reais possibilidades de a dupla ser reeditada, sendo que, nesta altura, o antigo internacional português, devido às suas ligações com o mercado, está a ajudar Sousa Cintra no processo relacionado com os jogadores que rescindiram contrato alegando justa causa.

Dias Ferreira, que ao DN insistiu na ideia de que não se exclui do processo eleitoral, iniciou a sua carreira de dirigente no Sporting em 1980, com João Rocha a presidente. Mais recentemente foi presidente da Mesa da Assembleia Geral no mandato de José Eduardo Bettencourt. Em seguida candidatou-se a presidente do Conselho Diretivo mas ficou em terceiro lugar, atrás de Godinho Lopes e Bruno de Carvalho, com 16,54%.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.