Caso Neymar provoca suspensão de jornalista e de ex-internacional francês

Em causa os comentários depreciativos sobre a brasileira que acusa Neymar de violação, num programa da estação de televisão RMC Sport.

A direção da estação de televisão francesa RMC Sport decidiu suspender da antena o jornalista Daniel Riolo e o antigo futebolista Jérôme Rothen por causa de comentários depreciativos que proferiram na passada quinta-feira, no programa "After Foot" sobre a mulher que apresentou uma queixa-crime contra Neymar, alegando que foi violada pelo internacional brasileiro num hotel de Paris.

Os dois intervenientes do programa que estava no ar no RMC Sport disseram que a brasileira Najila Trindade, que acusa Neymar de violação, é de "segunda divisão". "Eu estava à espera que fosse um avião, fiquei muito desapontado", disse Riolo.

No passado domingo, Marlene Schiappa, secretária de Estado francesa para a igualdade de género, anunciou através do Twitter ir enviar este caso para o Conselho Superior do Audiovisual. "Além da evidente estupidez, foi notória a malícia e a ignorância sobre questões de violação. Eles ofenderam as mulheres", escreveu, acrescentando: "Penso em todas as mulheres que estão relutantes em denunciar, depois de terem sido violadas ou abusadas sexualmente e que, obviamente, têm medo deste tipo de comentários."

Marlene Schiappa foi depois convidada a expressar a sua posição na noite de domingo em direto na RMC Sport. Enquanto isso, Jérôme Rothen veio a público pedir desculpas pelos comentários que fez. "Quero desculpar-me pelos comentários que fiz na última quinta-feira sobre o caso Neymar. Não é aceitável aquilo que disse e lamento não ter percebido no momento."

Já o jornalista Daniel Riolo utilizou a sua conta Twitter para apresentar também as suas desculpas: "Obviamente, não queríamos chocar ninguém e, obviamente, não houve nada mais implícito. Foi muito mau. E quero esquecer esse momento doloroso."

Rothen e Riolo vão entretanto ser ouvidos pela administração da estação de televisão.

Recorde-se que Najila Trindade acusou Neymar de violação no início de junho durante um encontro em Paris, em meados de maio. O futebolista do Paris Saint-Germain veio entretanto negar as acusações, considerando ter sido vítima de uma armadilha.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...