As contas do Sporting. 56 minutos de tempo útil de jogo contra o Marítimo

Leões lançaram duras críticas à perda de tempo dos jogadores do Marítimo no empate de segunda-feira entre as duas equipas. E fizeram as contas para provar a sua teoria.

O jogo entre o Marítimo e o Sporting, de segunda-feira, terminou sem golos e com muitas queixas dos leões ao anti-jogo praticado pela equipa orientada por Petit. Nesse sentido, os leões fizeram as contas ao tempo útil de jogo e chegaram a uma conclusão: 56 minutos. O vídeo está disponível na conta de Facebook do clube.

"Com o aproximar do final do campeonato, e a cada jornada que passa, cada ponto vale ouro. Com isso em mente, temos algum receio de que o tempo efetivo de jogo diminua ainda mais. Por isso, é importante colocarmos [todos nós] a mão na consciência e percebermos que temos de melhorar. Temos de estar muito atentos para que não volte a acontecer o que tem vindo a ocorrer até aqui", referiu o diretor leonino Beto Severo á Sporting TV, acrescentando: " Ainda ontem, no caso do nosso jogo na Madeira, foram 56 minutos de tempo útil de jogo, menos de dois terços dos noventa minutos - é uma perda efetiva de tempo de jogo ridícula. Isso só prejudica o espectáculo. O que devemos fazer todos, sejamos dirigentes, treinadores ou árbitros, é trabalhar para melhorar a imagem do futebol português, até porque estamos a transmitir uma imagem errada. Nós só queremos a verdade desportiva, simples. Não queremos nem mais nem menos. Não queremos que o Sporting CP seja beneficiado, mas também não queremos ser prejudicados."

No final do jogo, o capitão Bruno Fernandes, o adjunto Rodolfo Correia e o treinador Marcel Keizer lançaram duras críticas ao que chamaram perda de tempo propositada dos jogadores da equipa insular. Bruno Fernandes chegou mesmo a dizer que "o positivo no guarda-redes do Marítimo foi a perda de tempo" e o técnico holandês referiu que era preciso tomar medidas para acabar com este tipo de práticas no futebol português.

Já Petit, treinador do Marítimo, defendeu-se. "Não dei indicações para isso [perda de tempo]. Há contactos, é normal que os jogadores possam ficar no chão. Queríamos discutir o resultado", referiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG