Adidas acusada de racismo em campanha com Arsenal

#GasAllJwess e #MadelineMcCann são duas mensagens ofensivas que resultaram de numa campanha da Adidas nas redes sociais. Os resultados levaram aquela que é uma das marcas mais famosas do mundo a ser acusada de racismo.

A marca Adidas desafiou qualquer pessoa, na internet, a criar um slogan ou um nome que apareceria escrito nas costas de um protótipo online de uma camisola do novo equipamento do Arsenal. De acordo com o The Guardian, no Reino Unido, houve quem levasse o desafio demasiado longe. Nos equipamentos, surgiram mensagens de incitação à morte de judeus ("Gass All Jwess"), mas também a evocação de nomes como o da desaparecida Madeline McCann. Cada experiência no desafio intitulado #DareToCreate acabava automaticamente partilhada nas redes sociais da Adidas. E a internet não perdoou.

Os resultados da campanha foram partilhados por utilizadores das redes sociais, mas a marca acabou por apagar as publicações com mensagens ofensivas. E até a anular a funcionalidade.

Segundo o porta-voz da Adidas do Reino Unido, o plano passava por promover a compra do novo equipamento da equipa inglesa, permitindo que os fãs do clube pudessem escrever os seus nomes na camisola. Mas "devido a uma pequena minoria que criou versões ofensivas", decidiram desativar "imediatamente" a campanha.

"A equipa do Twitter está a investigar", remata.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.