Villarreal suspende contrato e salário de Rúben Semedo

Clube espanhol reage à prisão preventiva do futebolista português, acusado de tentativa de homicídio

O Villarreal anunciou nesta sexta-feira que decidiu suspender o contrato e o salário de Rúben Semedo, 24 horas depois de o jogador ter visto decretada a prisão preventiva e também do clube ter aberto um expediente disciplinar ao futebolista que custou 14 milhões de euros no último verão.

"O Villarreal CF quer mostrar sua consternação após os sérios crimes imputados pelo juiz do Tribunal Número 6 de Llíria ao jogador Ruben Semedo. Sempre com o devido respeito pela presunção de inocência, o clube decidiu suspender o contrato e o salário do jogador até que exista uma resolução final do inquérito disciplinar em curso", pode ler-se no site oficial do Villarreal.

Ruben Semedo, que estava detido desde terça-feira no comando da Guarda Civil, foi ouvido na quinta-feira por uma juíza que decretou a prisão preventiva com o fundamento de possibilidade de continuação de atividade criminosa.

O futebolista internacional sub-21 é suspeito de ter, juntamente com outras duas pessoas, sequestrado um homem, a quem, sob ameaça com uma pistola, retiraram as chaves do apartamento, de onde roubaram dinheiro e objetos.

Segundo o queixoso, um dos agressores disparou duas vezes com uma pistola para o intimidar, sem o atingir.

O advogado explicou que os outros dois implicados no caso "estão fora de Espanha, mas já foram identificados pela polícia".

Ruben Semedo, que poderá receber visitas no domingo, está envolvido em outros incidentes graves que estão a ser investigados pela polícia.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.