A lista dos regressos e a difícil tarefa de escolher 26 entre 55 jogadores

Fernando Santos chamou Tiago Djaló, João Mário e Rafa para os jogos de Portugal com Rep. Checa (dia 24) e Espanha (dia 27). João Moutinho e André Silva fora da última convocatória antes do Mundial 2022.

Os regressos são muitos e marcam a última lista de Fernando Santos antes do Mundial 2022 (novembro e dezembro, no Qatar). Recuperados das lesões que os afastaram da última chamada, Rúben Dias e João Félix foram convocados para os dois últimos jogos da fase de qualificação da Liga das Nações, com a República Checa (dia 24, em Praga) e a Espanha (dia 27, em Braga). Assim como João Mário e Rafa à boleia da grande época que estão a fazer no Benfica.

Tiago Djaló é talvez a maior novidade por ser chamado em vez de David Carmo, Gonçalo Inácio ou Domingos Duarte, mas o central sub-21 do Lille já integrou outras convocatórias de Santos. E se Renato Sanches e Otávio ficaram de fora devido a lesão, João Moutinho (o segundo mais internacional de sempre, só atrás de CR7), Gonçalo Guedes e André Silva foram preteridos pelo técnico, que manteve a aposta em Vitinha, Ricardo Horta e João Cancelo, apesar de não poder jogar em Praga, por estar castigado.

Numa lista em que o Sporting deixou de estar representado ao fim de quase dois anos, 12 dos 26 convocados jogam na Premier League, e desses, quatro são do Wolverhampton (José Sá, Rúben Neves, Matheus Nunes e Pedro Neto), que volta assim a ser o clube mais representado, à frente do PSG (Danilo, Vitinha e Nuno Mendes).

Os que ficam de fora são mais do que os que foram chamados. E o selecionador reconheceu a dificuldade ("que não é de agora") de ter de escolher 26 de uma lista inicial de 55. Ou seja, teve de riscar 29. "Há vários jogadores que há dois meses se calhar não olhávamos para eles com atenção, ou porque não estavam a jogar ou não faziam parte das equipas principais e podia dar muitos nomes, desde o António Silva, Florentino, o Pedro Gonçalves, Trincão, o Vitinha do Sp. Braga... há muitos jogadores que de repente estão a dizer "oh pá Fernando olha lá para mim que estou a mostrar que tenho capacidade para chegar à seleção nacional" e nós estamos atentos", garantiu o técnico de 67 anos.

Questionado sobre se esta foi a convocatória mais difícil que já fez face à multiplicidade de escolhas, respondeu que já ouve "essa pergunta há dois, três, quatro anos" e recordou que a mais difícil foi a primeira (em outubro de 2014 para os jogos com França e Dinamarca).

Como não sabe "fazer previsões" e não quis responder a questões sobre o Mundial 2022, prometendo apenas ser "justo" nas escolhas que fará, o selecionador tentou manter o foco na Liga das Nações, lembrando a "importância" de vencer este dois jogos que se aproximam. Mas não foi fácil. Ainda faltava o assunto Cristiano Ronaldo e o momento do capitão: "Tenho com ele e com todos os outros essa atenção de perceber como é que estão, se estão a jogar, se vão jogar, quando eles não estão a jogar, o que é que está a acontecer. Penso que ninguém nesta sala duvida de que o Cristiano Ronaldo continua a ser importante para a seleção. Vai ser titular no jogo com o Sheriff (hoje, na Liga Europa)."

Para chegar à final four e lutar pelo troféu que venceu em 2019, a seleção portuguesa precisa de vencer o agrupamento. Com quatro jogos disputados no grupo, Portugal está no segundo lugar, com sete pontos, depois de ter vencido a Suíça (4-0) e a República Checa (2-0) em casa, ter empatado na visita à Espanha (1-1) e de ter sido derrotado em terreno helvético (1-0). "Queremos estar na fase final, já a vencemos e queremos estar lá outra vez", disse Fernando Santos, recusando olhar para o duelo com Espanha antes de jogar com os checos.

O selecionador abordou ainda o caso do ataque ao carro da família de Sérgio Conceição, na noite de terça-feira, depois do FC Porto ser goleado pelo Club Brugge (4-0): "É uma má imagem não só para o futebol português como para a sociedade. Isto está a ficar um mundo de malucos, são coisas que não podem acontecer. Tenho uma relação de amizade com ele e já tive oportunidade de estar com ele pessoalmente. É completamente reprovável e quem o fez deve ser castigado".

Lista de convocados

Guarda-redes: Diogo Costa, Rui Patrício e José Sá;

Defesas: Pepe, Rúben Dias, Danilo Pereira, Diogo Dalot, João Cancelo, Raphael Guerreiro, Nuno Mendes e Tiago Djaló;

Médios: Vitinha, Bernardo Silva, Bruno Fernandes, Matheus Nunes, João Palhinha, Rúben Neves, João Mário e William Carvalho;

Avançados: Diogo Jota, Cristiano Ronaldo, Rafael Leão, Ricardo Horta, João Félix, Pedro Neto e Rafa Silva.

isaura.almeida@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG