Poiares Maduro quer "repor a legalidade" em Alvalade

Antigo ministro Adjunto diz que está em causa a sobrevivência do clube

Miguel Poiares Maduro anunciou nas redes sociais que vai colaborar com a Mesa da Assembleia Geral do Sporting (MAG) no sentido de "repor a legalidade no clube e devolver o poder aos sócios".

Num longo post publicado no facebook, antigo ministro Adjunto de Pedro Passos Coelho e adepto do Sporting, diz que a MAG está "neste momento desprovida de qualquer apoio do clube de que constitui o principal órgão social" e que, em conjunto com outros juristas, irá ser feito o recurso "a todos os instrumentos jurídicos disponíveis" para "repor a legalidade" em Alvalade, depois de o Conselho Diretivo do Sporting ter anunciado a criação de uma comissão transitória da MAG, substituindo os atuais membros demissionários e o atual presidente, Jaime Marta Soares, anulando ao mesmo tempo a Assembleia Geral de dia 23 de junho que iria votar a destituição de Bruno de Carvalho da presidência do clube. Foi também anunciada a substituição do Conselho Fiscal e Disciplinar por uma comissão de fiscalização.

"Sem qualquer base estatutária, [o Conselho Diretivo] declarou mesmo a extinção desses outros órgãos sociais, eleitos pelos sócios e beneficiando de uma legitimidade igual à do Conselho Diretivo. O Conselho Diretivo decidiu, sem qualquer competência para tal, declarar que os substituía por outros não previstos nos Estatutos. Numa frase: em poucos dias acabou com a democracia e separação de poderes no clube. Foi como se um governo, descontente com as decisões de um parlamento e dos tribunais, os decidisse extinguir e substituir por outros da sua escolha...", considera Poiares Maduro.

O ex-ministro diz que está em causa a sobrevivência do Sporting: "Já não está apenas em causa quem pode gerir melhor o clube, oferecer-nos mais sucessos ou melhor preservar e promover a sua imagem. Está em causa a sua sobrevivência. E não apenas (nem sequer fundamentalmente) a sua sobrevivência económica. Está em causa a existência do clube como repousando na soberania dos sócios e em cujo poder é exercido de acordo com as regras e de forma democrática".

"A legalidade, por definição, só pode ser reposta por meios legais. É verdade que esta instabilidade é profundamente danosa para o clube e gera profunda preocupação nos sócios. Há também receios fundados que a gravidade dos comportamentos ilegais adoptados possa ter consequências profundas e, nalguns casos, irremediáveis para o clube. Mas é através da lei, e adoptando todas as iniciativas judiciais e legais urgentes disponíveis, que devemos repor a democracia e legalidade no clube. Não se responde à ilegalidade com ilegalidades nem à intimidação com ameaças. Pelo menos, não no Sporting. A nossa identidade tem de ser preservada mesmo na forma como se combate quem a está a destruir", pode ainda ler-se no post de Poiares Maduro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.