Mesa da Assembleia-Geral e Conselho Fiscal do Sporting demitem-se

Alguns vogais da direção de Bruno de Carvalho estão a ponderar fazer o mesmo, de forma a isolar o presidente

A Mesa da Assembleia-geral do Sporting demitiu-se em bloco esta quinta-feira, confirmou à Lusa o presidente Jaime Marta Soares. Minutos depois surgiu a notícia da demissão de vários membros do Conselho Fiscal, incluindo o presidente, com um apelo à restante direção de Bruno de Carvalho para que renunciem aos cargos.

"Tendo em conta os superiores interesses do Sporting Clube de Portugal, que são e sempre foram a nossa maior preocupação, apelamos a que o presidente e os restantes membros do Conselho Diretivo apresentem a sua renúncia ao cargo de forma a permitir a marcação imediata de eleições", indicam os cinco subscritores do comunicado do Conselho Fiscal (CFD).

Depois de terem chegado à conclusão que o CFD "não tem competências estatutárias" para retirar o clube da "situação insustentável em que o mesmo se encontra", Nuno Silvério Marques e os restantes quatro membros - o vice-presidente Vicente Caldeira Pires e os membros Vítor Bizarro do Vale, Miguel Almeida Fernandes e Nuno Miguel Santos - decidiram apresentar a demissão.

"Estatutariamente, a resolução passará sempre por uma de três situações: renúncia ao cargo por parte do presidente do Conselho Diretivo, renúncia ao cargo por parte da maioria dos membros do Conselho Diretivo ou convocação de uma Assembleia Geral para a revogação do mandato", lembram.

Marta Soares quer afastar Bruno de Carvalho

No entanto, Jaime Marta Soares e restantes membros da Mesa da Assembleia Geral também se demitiram em bloco.

"Nenhum dos órgãos sociais do Sporting Clube de Portugal tem o direito de se querer manter no exercício das suas funções, pondo e causando graves prejuízos ao Sporting nessa atitude", afirmou Jaime Marta Soares aos microfones da TSF. "Há que dar, de imediato, a palavra aos sócios através de eleições".

À SIC, momentos antes, o presidente da Mesa tinha dito que ia apresentar esta quinta-feira ao Conselho Fiscal do Sporting uma proposta para instaurar um processo disciplinar a Bruno de Carvalho.

Alguns vogais da direção de Bruno de Carvalho estão a ponderar fazer o mesmo ainda esta tarde, como forma de isolar o presidente e forçar a saída.

Esta última crise do Sporting foi espoletada pela invasão da Academia de Alcochete, por cerca de 50 pessoas, de cara tapada, alegadamente adeptos 'leoninos', que agrediram vários jogadores, entre os quais Bas Dost, Acuña, Rui Patrício, William Carvalho, Battaglia e Misic, o treinador Jorge Jesus e outros membros da equipa técnica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.