Eduardo Barroso indignado com convite para Comissão de Gestão

Cirurgião, que era até há bem pouco tempo um apoiante acérrimo de Bruno de Carvalho, critica, em declarações ao Observador, Jaime Marta Soares e pretende eleições para dar voz aos sócios

Eduardo Barroso revelou, em declarações ao Observador, que tinha sido convidado para a Comissão de Gestão que Jaime Marta Soares está a constituir na sequência da suspensão de Bruno de Carvalho, ainda que este não a reconheça.

"Recebi um telefonema, não posso dizer de quem, mas era mandatado para esse efeito, para me convidar para a Comissão de Gestão. Estava no carro, com a chamada em voz alta, e a minha mulher, ao lado, até se indignou pela forma como respondi. Não faz sentido estarem a convidar-me para uma Comissão de Gestão com a qual estou em profundo desacordo. É um golpe inaceitável. Sou um defensor de eleições, tirei o meu apoio a Bruno de Carvalho, mas para dar voz aos sócios. Isto não é dar voz aos sócios, é aquilo que quiseram que eu fizesse no tempo de Godinho Lopes", sublinhou o médico numa alusão a 2013 quando exercia funções de presidente da Mesa da Assembleia Geral.

Jaime Marta Soares é o tipo de pessoa que não serve para nada, foi um dos grandes culpados de o problema se arrastar


E continuou para criticar o seu sucessor, Jaime Marta Soares: "É o tipo de pessoa que não serve para nada, foi um dos grandes culpados de o problema se arrastar. No passado, insultou-me a mim e ao Daniel Sampaio quando queríamos convocar a AG de destituição de Godinho Lopes. Depois foi a minha casa pedir-me desculpa pelo que disse, para poder pertencer à lista do Bruno de Carvalho. Ele anda ao sabor. Apoiou Godinho Lopes, mas aceitou logo a boleia do Bruno para poder ser presidente da Mesa da Assembleia Geral."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.