Direção repudia providências cautelares e fala em "melhor ano da história" do clube

Num comunicado, o Conselho Diretivo do Sporting considera que não tem credibilidade a ideia de que o tribunal seja favorável à sua destituição

O Conselho Diretivo do Sporting emitiu este domingo um comunicado no qual repudia a validade das eventuais providências cautelares para suspender o presidente Bruno de Carvalho de funções, lembrando que o clube está "em normal atividade".

E nesse sentido lembra que "este ano já é o melhor" da história do Sporting "no que respeita a títulos europeus e nacionais, estando as contas equilibradas e registando-se nos últimos cinco anos um crescimento de 60.000 associados". Nesse sentido, o Conselho Diretivo não considera credível "que um tribunal considere não ser dos superiores interesses do clube a continuação de uma Direcção que tem no currículo os melhores resultados desportivos e financeiros de sempre".

"Não terá qualquer credibilidade uma decisão de tribunal que se pronuncie a favor da destituição de uma direcção e administração, por causa de processos de rescisão sem sentido e por chantagens de que, se sairmos, voltam a ter condições psicológicas para ficar ou ser negociados", acrescenta a nota, que lança apela aos jogadores Rui Patrício e Daniel Podence "para refletirem bem no conteúdo das rescisões" de contrato que apresentaram na semana passada.

Além disso, o Conselho Diretivo dos leões reforça a ideia de que "e a constituição da Mesa da Assembleia Geral Transitória está suportada na Lei", acusando oos órgãos sociais demissionários de "tentativa de golpe".

Eis o comunicado na íntegra:

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.