Bruno de Carvalho reeleito com 86,13% dos votos

Resultados já são oficiais, com vitória esmagadora de Bruno de Carvalho. Madeira Rodrigues nem chegou aos 10%

Bruno de Carvalho, 45 anos, venceu as eleições do Sporting e foi reeleito presidente do clube de Alvalade para os próximos quatro anos com 86,13% dos votos. Madeira Rodrigues, candidato da Lista A, ficou-se pelos 9,46%.

O anúncio dos resultados foi sendo sucessivamente adiado. As primeiras informações apontavam para as 22.00, depois falou-se na uma da madrugada... mas só às 3.00 Jaime Marta Soares, presidente da Mesa da AG dos leões, anunciou os resultados em Alvalade, num dia marcado pelo recorde de afluência às urnas ter sido batido (18 755 sócios votantes, 15444 por voto eletrónico e 1489 votantes por correspondência). O atraso ficou a dever-se à recontagem dos votos por correspondência.

O candidato da lista A, Pedro Madeira Rodrigues, já deu uma conferência de imprensa a admitir a derrota na sua sede de campanha: "Perdi por larga margem. Desejo-lhe [a Bruno de Carvalho] sucesso desportivo e que consiga ser campeão".

Este foi o terceiro ato eleitoral em que Bruno de Carvalho participou. No primeiro, marcado por grande polémica, em 2011, obteve 36,15% dos votos contra os 36,55% do vencedor Godinho Lopes. Em 2013 venceu com 53,63% dos votos, batendo José Couceiro (45,35%) e Carlos Severino (1,02%).

Leia aqui as 111 medidas de Bruno de Carvalho para os próximos quatro anos.


Eis os resultados:

Conselho diretivo
Lista A: 8262 - 9,4%
Lista B: 74982 - 86,13%

Conselho fiscal
Lista A: 9173 - 10,55%
Lista B: 78894 - 82,72%

Mesa da Assembleia-Geral
Lista A: 8923 - 10,2%
Lista B: 71771 - 82,50%

Conselho Leonino
Lista A: 7822 votos - 9,07%
Lista B: 55507 votos - 64,35%
Lista C: 17825 - 20,67%

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.