Eduardo. O rijo transmontano que conquistou o país em 2010

Guarda-redes do Dínamo Zagreb superou trauma de infância e dificuldades de afirmação, para brilhar no Mundial 2010. Nunca mais deixou a seleção

É um rijo transmontano, quase intransponível entre os postes, quase imbatível pelas agruras da vida fora deles. Para Eduardo, nada foi fácil. Mas desde 2010 que o guarda-redes se tornou um nome incontornável na seleção nacional.

O guardião, de 33 anos, natural de Mirandela, tardou em afirmar-se no futebol português: só aos 24 anos se estreou na I Liga, após largas épocas entre a equipa secundária e os bancos de suplentes do Sporting de Braga. No entanto, mal se estreou pegou de estaca, mostrando a frieza que marcaria a sua ascensão.

O talento não basta. Eu não sou um talentoso, não nasci com carradas de talento, mas sou um trabalhador. E trabalho sempre nos limites. Percebi cedo que se queria chegar até aqui não teria outro remédio. Sofre-se, mas também há muito prazer em ir conseguindo melhorar e crescer por força do trabalho.

Eduardo convenceu no palco de estreia, o Beira-Mar. Brilhou no Vitória de Setúbal (ajudando a equipa sadina a ganhar a primeira edição da Taça da Liga, decidida com as suas defesas no desempate através da marcação das grandes penalidades). E ganhou o direito a regressar a Braga, a sua casa desde a adolescência. Foi a rampa final para chegar à seleção nacional.

Quando vi o meu nome no lote dos selecionados, só tive um pensamento: 'vou agarrar isto com unhas e dentes.

Nos primeiros jogos pela "equipa das quinas", apadrinhados pelo então selecionador Carlos Queiroz, o nome do guardião foi sendo questionado. No entanto, as exibições no Mundial 2010 (em quatro encontros só sofreu um golo, o de David Villa, que valeu a eliminação nos oitavos-de-final) e a abnegação demonstrada (da garra a cantar o hino às lágrimas após a eliminação) convenceram os críticos.

Afinal, o transmontano já estava habituado a superar dificuldades - do trauma da morte precoce do pai, vítima de um acidente de viação quando Eduardo era criança, às saudades da mãe e irmãos, que acabariam por emigrar para o Luxemburgo, enquanto o guarda-redes se mudou para o Minho aos primeiros da adolescência (para jogar nas academia do Vitória de Guimarães e, depois, do Sporting de Braga).

Precisamos de evoluir muito no trabalho com os guarda-redes em Portugal. A nível não só de treino, mas de prospeção e, quem sabe, criar até departamentos de acompanhamento específicos. Sabemos que a posição de guarda-redes é a mais difícil quando se erra e, por vezes, criam-se ilusões grandes nos miúdos... que acabam por abandonar facilmente. Temos de dar mais condições a estes jovens.

Foi só após o brilharete do Mundial 2010 que Eduardo também seguiu os caminhos da emigração: teve passagens nem-sempre-bem-sucedidas por Itália (Génova) e Turquia (Istambul BB), entrecortadas por regressos a casa (Benfica e Braga). Desde 2014 voltou a brilhar e colecionar títulos no Dínamo Zagreb. Em Portugal, ficou a sua namorada desde a adolescência, outra estrela do desporto nacional: a maratonista Jéssica Augusto. Ambos são pais de uma menina, Leonor, nascida em junho de 2015.

BI

Eduardo dos Reis Carvalho

Data de nascimento: 19/09/1982 (33 anos)

Naturalidade: Mirandela

Altura: 1,88 m

Peso: 84 kg

Clube atual: Dínamo Zagreb (Croácia)

Clubes de formação: Mirandela, V. Guimarães e Sp. Braga

Trajeto: Sp. Braga, Beira-Mar, V. Setúbal, Génova, Benfica, Istambul BB, Dínamo Zagreb

Títulos: Taças da Liga (2007/08 e 2011/12), Taça Intertoto (2008), Liga da Croácia (2014/15 e 2015/16), Taça da Croácia

CARREIRA NA SELEÇÃO

Estreia: 11/02/2009, Portugal-Finlândia (1-0)

Internacionalizações: 35

Golos sofridos: 21

FASE DE QUALIFICAÇÃO

Jogos: 0

Minutos: 0

Golos sofridos: 0

NÚMEROS

8 - equipas representadas como sénior

7 - troféus conquistados ao longo da carreira

3 - presenças em fases finais (Mundial 2010, Euro 2012 e Mundial 2014)

4,5 Meuro - valor da transferência do Sp. Braga para o Génova

24 anos - idade com que se estreou na I Liga, ao serviço do Beira-Mar

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.