Ryan Lochte diz que não mentiu, só exagerou

O nadador norte-americano não consegue explicar porque exagerou a história do alegado assalto

Ryan Lochte insiste que não mentiu na história do assalto de que disse ter sido vítima no Rio de janeiro, mas admite que exagerou os factos. Numa entrevista ao Jornal Nacional da TV Globo, o nadador pediu desculpa aos brasileiros.

"Se não tivesse exagerado e tivesse dito tudo, nada disto teria acontecido", afirmou Ryan Lochte, admitindo que estava "altamente embrigado" e tomou "decisões imaturas".

O nadador norte-americano, que disse ter sido vítima de um assalto quando na verdade teve um ato de vandalismo numa bomba de gasolina, tendo os seguranças da mesma, exigido dinheiro para pagar os estragos sob a ameaça de uma arma - descreveu o incidente.

"Saímos do taxo com armas apontadas e alguém apareceu a dizer que tínhamos de pagar. Pode dizer-se que é roubo ou extorsão ou que tínhamos de pagar os danos causados. Não sei o que foi. Só sei que estavamos assustados porque tínhamos uma arma apontada a nós", disse, explicando que ele e os outros nadadores (Jimmy Feigen, Jack Conger e Gunnar Bentz) estavam "apavorados" por ter uma arma apontada.

Ryan Lochte assumiu "toda a responsabilidade" pelo incidente. "Foi culpa minha", afirmou, repetindo que exagerou a história. Porquê? "Não sei. Faço essa pergunta a mim mesmo todos os dias", respondeu. No entanto, recusa que tenha mentido.

"Não menti sobre tudo. Exagerei sobre o que aconteceu. Exagerei em algumas partes e não disse coisas que deveria ter dito", contrapôs. "O meu erro foi ter exagerado aquilo que aconteceu".

Salientando que o "Brasil não merecia isto", o nadador olímpico voltou a assumir a responsabilidade, confessando-se "envergonhado" e "arrependido": "Foi a minha imaturidade que causou isto e lamento muito". O norte-americano rematou a entrevista, divulgada após a final do torneio olímpico de futebol masculino, ganha pelo Brasil, garantiu que "não vai acontecer de novo".

Numa outra entrevista, divulgada nos Estados Unidos, pela NBC, o nadador também pediu desculpa aos colegas que estiveram envolvidos no caso. Emocionado, Lochte disse que se sentiu "magoado" ao ver as notícias de Gunnar Bentz e Jack Conger a serem retirados de um avião, impedidos de deixar o Rio de Janeiro por causa do alegado assalto. "Deixei a minha equipa ficar mal", afirmou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG