Estados Unidos pedem desculpa pela "novela" do assalto

Nadadores olímpicos disseram que tinham sido assaltados quando, na verdade, tinham vandalizado uma bomba de gasolina

O Comité Olímpico norte-americano pediu desculpas públicas pela "novela" protagonizada por quatro nadadores dos Estados Unidos, que disseram que tinham sido assaltados no Rio de Janeiro, sob ameaça de arma de fogo e que, afinal, tinham vandalizado uma bomba de gasolina naquela cidade brasileira.

"Pedimos desculpa aos nossos anfitriões no Rio e ao povo do Brasil por esta distração no meio daquilo que deveria ser uma celebração de excelência", disse o presidente do Comité Olímpico norte-americano num comunicado. Scott Blackmun confirma que os quatro atletas - Ryan Lochte, Jimmy Feigen, Gunnar Bentz e Jack Conger - "cometeram um ato de vandalismo" na casa de banho da bomba de gasolina e que os seguranças armados exigiram o pagamento de uma quantia em dinheiro para pagar os estragos.

"O comportamento destes atletas não é aceitável nem representa os valores da equipa olímpica norte-americana ou a conduta da maioria dos seus elementos. Iremos reavaliar o caso e potenciais consequências para os atletas, quando voltarmos para os Estados Unidos", acrescentou, dizendo que, para já, a três dias do fim dos Jogos Olímpicos, o mais importante é apoiar os atletas que ainda estão em competição e celebrar as conquistas dos que já terminaram.

O pedido de desculpas surge depois de a polícia brasileira ter desvendado a verdade acerca do caso. Os nadadores norte-americanos alegavam ter sido assaltados por homens armados que se faziam passar por polícias, mas as contradições dos testemunhos e algumas incongruências suscitaram uma investigação, que terminou ontem.

A polícia revelou que Ryan Lochte, Jimmy Feigen, Gunnar Bentz e Jack Conger inventaram a história do assalto para esconder o ato de vandalismo que haviam protagonizado na bomba de gasolina. "A única verdade do que eles contaram é que estavam bêbados", disse o chefe, chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Fernando Veloso.

O caso prolongou-se por vários dias, com episódios dignos de uma novela: a polícia foi à Aldeia Olímpica para apreender os passaportes dos atletas. Não os tendo encontrado, acabou por ir, mais tarde, ao aeroporto, e retirar dois deles de dentro do avião em que iriam viajar de volta aos Estados Unidos.

Estes dois nadadores, Conger e Bentz, acabaram por confirmar às autoridades o que acontecera de facto. Os dois já regressaram entretanto aos Estados Unidos. Enquanto isso, James Feigen ficou no Brasil a prestar depoimento. Já hoje, a imprensa brasileira anunciou que o atleta teria de pagar uma multa de 35 mil reais (9500 euros) para sair do país.

Ryan Lochte, que ganhou a sua sexta medalha olímpica no Rio de Janeiro, está nos Estados Unidos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG