PSG tombou o Chelsea mas Mikel fez precioso golo fora

Parisienses venceram por 2-1. Hoje é a vez do Gent-Wolfsburgo e do Roma-Real Madrid, com Cristiano Ronaldo em foco

O Chelsea tombou mas saiu vivo da visita ao Paris SG (2-1), o outro encontro da jornada de ontem da Liga dos Campeões. O nigeriano Obi Mikel marcou um precioso golo fora de casa que pode ser decisivo na eliminatória. Hoje, é a vez de entrar em campo outro favorito à conquista do troféu, o Real Madrid de Pepe e Cristiano Ronaldo, que visita a Roma.

No Parque dos Príncipes encontraram-se dois campeões em estados antagónicos: um é o dominador absoluto em França, o outro vive uma época irregular em Inglaterra. No entanto, no regresso às provas europeias, isso não pesou: o PSG dominou, mas o Chelsea resistiu, a ponto de poder discutir a eliminatória em casa.

Os primeiros golos apareceram de bola parada. Primeiro, marcou Ibrahimovic, ao minuto 39, na marcação de um (fraco) livre direto, que ressaltou na perna de Mikel, traindo Courtois. Depois, redimiu-se o nigeriano do Chelsea, já no tempo de descontos da primeira parte: a bola foi parar-lhes aos pés, na sequência de um canto, e o médio, em posição frontal à baliza, não perdoou.

Após o intervalo, a pressão parisiense demorou a desfazer o empate... mas acabou por o conseguir aos 78". Di María bombeou a bola para a área e Cavani, descaído sobre a direita, isolou-se frente a Courtois, atirando rasteiro para o fundo das redes.

Mas fica tudo em aberto para a 2.ª mão dos oitavos-de-final, a 9 de março, em Londres. Das últimas vezes que as equipas se encontraram na Champions tudo se decidiu graças aos golos fora. Em 2014-15, nos quartos-de-final, passou o Chelsea, graças ao golo marcado na derrota por 3-1 na 1.ª mão (venceu 2-0 em casa). E em 2015-16, nos oitavos-de-final, apurou-se o Paris SG, com um 2-2 em Stamford Bridge, após empatar 1-1 em casa.

Ronaldo e a má forma

Hoje realizam-se mais dois jogos dos oitavos-de-final da Champions. O Gent recebe o Wolfsburgo do português Vieirinha e o Real Madrid desloca-se a Roma. Esta partida terá um pormenor curioso a rodeá-la, já que Rafa Benítez, treinador despedido por Florentino Pérez no início de janeiro, vai comentar o jogo para a cadeia de televisão BT Sports, juntamente com os ex-jogadores Michael Owen, Steve McManaman e Rio Ferdinand.

Luciano Spalletti, treinador dos italianos, espera dificuldades frente a uma equipa que "tem praticamente os mesmos jogadores que venceram a Champions em 2014" no Estádio da Luz. E deixa grandes elogios a Cristiano Ronaldo: "É um dos futebolistas mais fortes do mundo. Faz a diferença, tem velocidade, marca golos, mas não vou colocar três jogadores a marcá-lo nem montar jaulas à sua volta. Caso contrário teríamos de entrar em campo com 33 jogadores."

Já Ronaldo recorreu à ironia quando ontem lhe perguntaram sobre o seu atual rendimento. "Já encaro isso como normal, acostumei mal as pessoas como se faz com as crianças. Se costumas dar tudo e passado um tempo não dás algo, vão chorar. Quando não dou mais golos, começam, neste caso não a chorar, a escrever demasiado. Só espero que continue com esta má forma até final da temporada", atirou, deixando uma resposta enigmática quando foi questionado sobre o penálti de Messi: "Serei muito curto e preciso: sei o porquê de Messi ter feito aquilo e mais não digo. Agora pensem o que quiserem."

O internacional português deixou um comentário curioso sobre a diferença de relacionamento entre os avançados do Barcelona e do Real Madrid. "Vou contar-vos uma coisa. No Manchester United ganhei uma Champions e não falava mais do que um bom-dia com o Giggs, o Scholles e o Ferdinand. Não tenho de jantar ou convidar o Benzema para minha casa. O que interessa é dentro do campo. Não preciso de abraços e beijinhos", disse.

Zidane vai dirigir o seu primeiro jogo como treinador nas competições europeias, curiosamente frente à equipa com que se estreou na Champions com a camisola do Real Madrid, há 15 anos - a 24 de outubro de 2001. O jogo terminou 1-1.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG