Portugal conquista Mundialito de futebol de praia na despedida de Alan

A Seleção Nacional venceu Espanha por 2-1 nas grandes penalidades na Costa da Caparica

Portugal conquistou hoje o Mundialito de futebol de praia, na Costa de Caparica, em Almada, ao vencer a Espanha por 2-1 nas grandes penalidades, depois da igualdade 3-3, num torneio marcado pela despedida de Alan.

Os golos do encontro surgiram em ritmo frenético no terceiro período, em que Portugal esteve a vencer por 2-0, com tentos de Bê Martins e Jordan, mas a Espanha passou para a frente com três pontapés de 'bicicleta', dois de Eduard Molina e um de Llorenç.

O golo que permitiu a Portugal levar o jogo para o prolongamento foi obtido por Madjer, com um remate de primeira a fazer a bola passar por entre as pernas do guarda-redes Raul Navarro, que tinha substituído na baliza de Espanha o expulso Dona.

Com o prolongamento a chegar ao fim sem que nenhuma das seleções tivesse conseguido marcar, a decisão da atribuição do troféu foi remetida no desempate através de grandes penalidades.

Alan, de 42 anos, despediu-se da seleção portuguesa de futebol de praia no torneio que o lançou, há 20 anos

O guarda-redes português Andrade defendeu a primeira tentativa de conversão, por António, após o que Madjer colocou Portugal em vantagem com um remate indefensável.

Llorenç devolveu a igualdade a 1-1, Rui Coimbra voltou a colocar a seleção das 'quinas' em vantagem, por 2-1, e a conquista do Mundialito por parte de Portugal, sexto no seu palmarés, surgiu na terceira grande penalidade falhada por Chiky.

Alan, de 42 anos, despediu-se da seleção portuguesa de futebol de praia no torneio que o lançou, há 20 anos, num momento emotivo, no final do encontro, partilhado por todos os colegas de equipa e em especial Madjer, que despontou na mesma altura.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.