Os cinco desafios de Ronaldo rumo à quinta Champions

Real Madrid e Liverpool discutem hoje a final em Kiev, na Ucrânia. Espanhóis buscam 13.º troféu, ingleses o sexto

Cristiano Ronaldo tem batido recordes a uma velocidade impressionante. E esta noite, em Kiev (19.45, RTP), na Ucrânia, cidade-palco da final da Liga dos Campeões entre o Real Madrid e o Liverpool, tem mais cinco grandes desafios pela frente - o mais importante é conquistar a sua quinta Liga dos Campeões, o que, a acontecer, permitirá ao português igualar o número de troféus de clubes como Barcelona, Liverpool e Bayern Munique. Um triunfo esta noite pode também dar-lhe avanço na luta pela Bola de Ouro, até porque do outro lado vai estar o egípcio Mohamed Salah, que está a realizar uma temporada brilhante e pode entrar nestas contas. E depois há Messi, que já conquistou este ano o título e a Taça de Espanha pelo Barcelona. Não faltam por isso motivos a CR7 para se exibir esta noite ao seu melhor nível. "Seria um acontecimento histórico vencer a Champions League. Nós, como equipa, estamos superconfiantes e motivados, pois podemos ganhar a terceira taça consecutiva. A nível individual, ganhar a minha quinta Liga dos Campeões seria espetacular. Mas não vai ser fácil. Se o Liverpool está na final é porque tem mérito", referiu esta semana CR7.

Chegar ao quinto troféu

Caso o Real Madrid vença hoje o Liverpool, CR7 conquista a sua quinta Liga dos Campeões, depois de os troféus ganhos em 2007-08 pelo Manchester United e em 2013--2014, 2015-2016 e 2016-2017 já ao serviço do Real Madrid. Só para se ter uma ideia do quanto este valor é impressionante, basta dizer que iguala o total de "orelhonas" que colossos europeus como o Barcelona, Bayern de Munique e Liverpool têm nos seus museus. Um triunfo permite ainda ao português entrar no seleto grupo de estrelas que já ergueram cinco Champions: Di Stéfano, Marquitos, Zárraga, Héctor Rial, Juanito Alonso, Rafael Lesmes, Paolo Maldini, Costacurta e Seedorf. O recordista continua a ser o espanhol Gento, com seis.

Marcar em cinco finais

Outro dos reptos de Ronaldo para esta noite está relacionado com golos. Se marcar hoje à equipa de Jurgen Klopp, o avançado português consegue o brilhante registo de ter apontado golos em cinco das seis finais de Liga dos Campeões que disputou. O único jogo decisivo em que ficou em branco foi em 2009, quando pelo Manchester United foi derrotado (2-0) pelo Barcelona. Na final de 2007-08 marcou um golo pelos red devils contra o Chelsea; em 2013-14 também deixou a sua marca ao apontar o penálti no prolongamento no triunfo por 4-1 com o At. Madrid; na época 2015--16 voltou a ser decisivo ao marcar a grande penalidade também contra os colchoneros no desempate por penáltis. E, finalmente, o ano passado, bisou na goleada por 4-1 à Juventus.

Objetivo hat-trick

Ronaldo contabiliza atualmente 15 golos marcados na edição desta temporada da Liga dos Campeões. São muitos golos, mas mesmo assim o avançado do Real Madrid ainda não conseguiu igualar a sua melhor marca de sempre na competição milionária, pois em 2013-14 chegou aos 17 golos, numa época em que os merengues conquistaram a Champions. Ou seja, CR7 está a um hat-trick de superar esta marca e bater o seu próprio recorde. A missão não será fácil, até porque este ano o avançado ainda não conseguiu marcar por três vezes a um adversário na Champions. Mas já bisou em cinco ocasiões.

A sexta Bola de Ouro

O confronto desta noite com o Liverpool pode também ser decisivo para a atribuição da Bola de Ouro, troféu que premeia o melhor jogador do Mundo. Obviamente que estas contas estão ainda muito condicionadas pelo que os candidatos poderão fazer no Mundial da Rússia. Mas a conquista de uma Champions tem peso na decisão do vencedor. Messi, o eterno rival de CR7 neste duelo particular, leva já dois troféus esta temporada (campeonato e Taça espanhola). E depois há ainda o caso de Salah, que parte como outsider nesta luta, mas que se vencer hoje a Champions pelo Liverpool tem de ser considerado. Certo é que se CR7 conquistar esta noite a Champions fica muito bem colocado rumo à sua sexta Bola de Ouro, independentemente do que Portugal fizer no Mundial da Rússia.

Fazer o pleno na Champions

Se nas competições internas o treinador Zinedine Zidane tem gerido o esforço de Cristiano Ronaldo (no campeonato), muitas vezes deixando-o mesmo de fora das convocatórias (só participou em 27 dos 38 jogos do campeonato espanhol), na Liga dos Campeões passa-se precisamente o inverso. Ou seja, CR7 foi sempre titular e atuou sempre os 90 minutos nos 12 jogos realizados pelo Real Madrid na presente edição da Champions. Nem sequer por uma vez foi substituído perto do final de um jogo. Assim, este é mais um desafio para o avançado português esta noite: jogar o tempo inteiro para assim se tornar totalista em todos os jogos da prova realizados esta temporada.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG