O 20.º ato de um duelo que ganhou dimensão nos dérbis

Jorge Jesus e Rui Vitória já se defrontaram por 19 vezes, com clara vantagem para o treinador leonino, que no entanto leva três jogos sem ganhar ao rival.

Pouco mais de sete anos depois do primeiro encontro, Rui Vitória e Jorge Jesus completam na quarta-feira duas dezenas de duelos no futebol português, num frente-a-frente que se tornou uma questão muito pessoal desde que os dois treinadores assumiram os cargos atuais, no verão de 2015, com a saída de Jesus da Luz para Alvalade e a escolha de Vitória para lhe suceder nos encarnados.

Jorge Jesus entrou "a matar" nos três primeiros confrontos desde o banco do Sporting, mas o técnico do Benfica recompôs-se, não voltando a perder desde então: duas vitórias e um empate (na última partida).

Mais para trás fica um balanço bem mais desequilibrado, favorável ao treinador leonino e construído ao serviço do Benfica. Ao comando dos encarnados, Jesus ganhou dez dos 13 duelos com Rui Vitória, perdendo apenas dois, embora um deles particularmente traumático, na final da Taça no Jamor, frente ao V. Guimarães, em 2012-13.

Tudo começou, no entanto, a 29 de outubro de 2010, com um Benfica-Paços de Ferreira que a equipa de Jorge Jesus venceu por 2-0, numa época em que as duas equipas (e os dois técnicos) se encontraram também na final da Taça da Liga, com vitória das águias.

Nessa altura ainda era possível sentar os dois treinadores lado a lado para um lançamento conjunto da final, entre elogios mútuos de circunstância (como a foto atesta). Mas isso "era dantes". Depois, em lados opostos da Segunda Circular, vieram os bate--bocad que ganharam lugar na enciclopédia do dérbi, como o "cérebro que já lá não está", as "mãos para segurar o Ferrari" ou o não querer ser "comido de cebolada", num duelo que ganhou uma carga bem mais dramática.

Na quarta-feira, na Luz, sobe ao palco o 20.º ato - sétimo na versão dérbis - , numa altura em que Jorge Jesus volta a surgir em posição superior: com mais três pontos do que o rival, em igualdade com o líder FC Porto no campeonato e ainda em todas as frentes da época (internas e Europa); enquanto a Rui Vitória só lhe resta a luta pelo título e, para isso, precisa urgentemente de um triunfo neste dérbi que dê novo fôlego ao Benfica.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG