Diretor do torneio rejeita que gafanhotos possam ser uma ameaça

Técnico do ministério da agricultura da Rússia tinha alertado para possibilidade de ameaça de pragas

O responsável máximo pela organização do Mundial2018 de futebol, Alexei Sorokin, rejeitou hoje que o torneio possa ser afetado pelas pragas de gafanhotos, como tinha sido defendido por um técnico do ministério da agricultura da Rússia.

"Os gafanhotos não representam qualquer ameaça para os relvados de futebol, porque a relva é muito curta e é tratada com determinadas substâncias. Olhamos para esta questão com algum humor", disse o diretor do torneio.

Na quarta-feira, o responsável pelo departamento de cultivo do ministério da agricultura tinha advertido que os jogos do Mundial2018 poderiam ser afetados por pragas de gafanhotos, em especial os que se disputem no sul do país.

"Sabemos, mais ou menos, como lidar com as pragas de gafanhotos, mas este ano temo que possamos ter um escândalo internacional", avisou Pyotr Chekmaryov, em declarações divulgadas por agências noticiosas estatais.

Numa conferência relacionada com o tema, Chekmaryov assinalou que a região mais afetada poderá ser a de Volvogrado e que a Rússia "corre o risco de cair em desgraça perante a comunidade internacional, numa altura em que vai acolher pessoas de todo o mundo".

A seleção portuguesa vai estrear-se no Grupo B da fase final do Mundial2018 frente à Espanha, em 15 de junho, em Sochi, seguindo-se os confrontos com Marrocos, cinco dias mais tarde, em Moscovo, e o Irão, treinado pelo português Carlos Queiroz, em 25 de junho, em Saransk.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.