Mais de 30 atletas ficaram doentes à chegada da agência antidoping

Mais de 30 atletas russos ficaram subitamente doentes ou não começaram a corrida, numa prova em Irkutsk, quando a agência antidopagem daquele país (Rusada) chegou, noticiou hoje o portal noticioso Championat.

Os campeonatos de atletismo do distrito federal da Sibéria decorreram no fim de semana, e um total de 36 atletas desistiram de correr após a chegada de controladores da Rusada, alegando que estavam doentes.

Ainda de acordo com o championat.com, um dos atletas que desistiu foi a fundista Natalya Aristarkhova, considerada a favorita nos 3.000 metros barreiras.

"O Comité Disciplinar da Federação Russa de Atletismo (FRA) abriu uma investigação interna", apontou o órgão em comunicado, no qual especificou que pediu à federação regional "informações em relação aos atletas que desistiram" e promete aplicar "as sanções apropriadas".

Sergey Shubenkov, campeão do mundo em 2015 dos 110 metros barreiras, criticou o que aconteceu através da rede social Twitter.

As desistências surgem cerca de meio ano depois da Rusada ter recuperado a permissão para fazer testes e controlos de doping, depois de ter sido suspensa em 2015 pela Agência Mundial Antidopagem (AMA), devido a um escândalo de doping generalizado na Rússia, relacionado com o período entre 2011 e 2015.

O processo levou à exclusão de dezenas de atletas dos Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang2018, sendo que a secção de atletismo russa não foi autorizada a competir nos Jogos do Rio de Janeiro, em 2016, nem nos Mundiais de atletismo, em 2017.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.