Rússia aplica à Arábia Saudita a segunda maior goleada num jogo inaugural

Denis Cheryshev marcou dois golos da seleção da casa no triunfo por 5-0

O Mundial 2018 começou com a segunda maior goleada de sempre em jogos de abertura de Campeonatos do Mundo. A Rússia venceu a Arábia Saudita por 5-0, no Estádio Luzhniki, em Moscovo, e quebrou um jejum de oito meses sem um triunfo. A maior goleada em partidas inaugurais de Mundiais continua a estar na posse da Itália, que em 1934 despachou os Estados Unidos por 7-1.A Rússia, orientada por Stanislav Cherchesov, não começava tão bem uma fase final desde 1986, quando goleou a Hungria por 6-0, numa altura em que ainda se fazia representar como União Soviética.

O ambiente no Luzhniki começou a aquecer bem cedo, quando Yury Gazinskiy, médio do Krasnodar, entrou para a história do torneio ao marcar o golo inaugural e o seu primeiro pela seleção russa à sétima internacionalização.

Pouco depois, soaram os alarmes entre os russos, quando Alan Dzagoev se lesionou, entrando para o seu lugar Denis Cheryshev, extremo do Vilarreal, que iria ter um papel decisivo na partida. É que pouco depois de entrar fez o segundo golo, deixando a Arábia Saudita à beira do KO quando o intervalo se aproximava.

Na segunda parte, a superioridade russa acentuou-se e acabou por ser materializada nos últimos 20 minutos da partida, primeiro com o terceiro golo da autoria de Dzyuba, depois, já em tempo extra, foi Cheryshev a bisar com o melhor golo da tarde e Golovin, de livre direto, a estabelecer o resultado final.

Denis Cheryshev foi eleito melhor jogador da partida e, para já, é o melhor marcador do Mundial 2018 com dois golos marcados. "Nunca imaginei nada parecido com isto. Já estava muito feliz por ter sido convocado", começou por dizer o avançado do Villarreal, explicando depois o seu segundo golo: "O Dzyuba ganhou de cabeça e eu só tive de rematar. Nem tive tempo de pensar."

Veja aqui a estatística do jogo:

Veja aqui como foi a cerimónia de abertura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.