França elimina Argentina de Messi e fica à espera de Portugal

Seleção gaulesa venceu a albiceleste por 4-3 e assegurou presença nos quartos de final, etapa em que defrontará Portugal ou Uruguai. Mbappé foi a figura do jogo, ao apontar dois golos

A França venceu a Argentina por 4-3, em Kazan, na primeira partida dos oitavos de final do Mundial, e garantiu um lugar nos quartos, etapa do torneio em que defrontará Uruguai ou Portugal, duas seleções que vão medir forças ainda este sábado (19.00).

A seleção gaulesa começou melhor e viu Antoine Griezmann acertar na trave aos 9 minutos, de livre direto. Dois minutos depois, o árbitro iraniano Alireza Faghani assinalou uma grande penalidade que o avançado converteu em golo, a castigar falta de Rojo sobre Mbappé.

Apesar da superioridade les bleus, os sul-americanos chegaram ao empate já no final da primeira parte, por Di María (41'), através de um remate fantástico a quase 28 metros da baliza de Hugo Lloris.

Já no início da segunda parte, a Argentina conseguiu dar a volta ao marcador, por Gabriel Marcado, a desviar para o fundo das redes um remate de Lionel Messi, enganando o guardião francês (48').

Dez minutos depois, porém, a França respondeu por Pavard, com um remate de fora da área (58'). E aos 64', Mbappé fez o 3-2 para França, após aproveitar um ressalto na área albiceleste. O mesmo Mbappé apontou o quarto golo dos gauleses, na sequência de um ataque apoiado desde o guarda-redes até ao avançado do PSG (69').

Já em tempo de compensação, Kun Aguero reduziu para 4-3, de cabeça. na resposta a um grande cruzamento de Lionel Messi (90+3').

Desde 1986 que não havia 7 golos numa eliminatória dos oitavos de final do Campeonato do Mundo.

A França passou em primeiro do Grupo C, a Argentina foi segunda do Grupo D, atrás da Croácia. Nenhuma das duas seleções deslumbrou na fase de grupos, sobretudo a Argentina, que teve grandes dificuldades em se apurar para a fase do mata-mata.

Esta tarde, em Kazan, as duas potências do futebol mundial tentam seguir em frente na prova. A Argentina conta com a superestrela Lionel Messi; a França com Mbappé e Griezmann.

Jogos e resultados do dia:

França - Argentina (4-2, resultado final)

Uruguai - Portugal (19.00)

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.