O "fenómeno" que escalou o El Capitan sem cordas e em quatro horas

Alex Honnold, de 31 anos, contou ao jornal que passou dois anos a preparar esta escalada. Veja o primeiro vídeo

Os guias de escaladas aconselham quatro dias para subir ao El Capitán por uma rota conhecida como a Freerider, mas este sábado um homem subiu ao monólito do parque de Yosemite em apenas quatro horas, sem cordas. Alex Honnold voltou a espantar o mundo da escalada, cimentando a sua reputação de fenómeno mundial.

As fotografias da subida podem ser vistas aqui. Para a profissional Sasha DiGiulian, foi um feito "incompreensível", e para Kevin Jorgeson, que fez uma escalada história ao El Capitan em 2015, "é difícil traduzir em palavras quão pioneira esta subida é", disse em declarações ao The New York Times.

Alex Honnold, de 31 anos, contou ao jornal que passou dois anos a preparar esta escalada, a memorizar o caminho e a treinar movimentos, até se sentir preparado para subir sozinho e sem proteções ou cordas, apenas com sapatilhas de escalada e pó de giz. Não quer "morrer jovem", disse, acrescentando que não contou à mãe nem a muitas pessoas o que ia fazer, para evitar preocupar família e amigos, mas também para impedir que essa preocupação o contaminasse.

Honnold é um especialista no modo solitário livre: sem corda ou qualquer outro equipamento de segurança, desafia as mais temidas montanhas do mundo, do Sendero Luminoso ao El Capitán. Convertido em nómada devotado à escala, Alex Honnold vive há sete anos numa furgoneta convertida em autocaravana, em permanente viagem pela natureza, à procura do próximo desafio, mas desta vez ainda não sabe qual será depois de anos de preparação intensa para o feito de sábado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?