O "fenómeno" que escalou o El Capitan sem cordas e em quatro horas

Alex Honnold, de 31 anos, contou ao jornal que passou dois anos a preparar esta escalada. Veja o primeiro vídeo

Os guias de escaladas aconselham quatro dias para subir ao El Capitán por uma rota conhecida como a Freerider, mas este sábado um homem subiu ao monólito do parque de Yosemite em apenas quatro horas, sem cordas. Alex Honnold voltou a espantar o mundo da escalada, cimentando a sua reputação de fenómeno mundial.

As fotografias da subida podem ser vistas aqui. Para a profissional Sasha DiGiulian, foi um feito "incompreensível", e para Kevin Jorgeson, que fez uma escalada história ao El Capitan em 2015, "é difícil traduzir em palavras quão pioneira esta subida é", disse em declarações ao The New York Times.

Alex Honnold, de 31 anos, contou ao jornal que passou dois anos a preparar esta escalada, a memorizar o caminho e a treinar movimentos, até se sentir preparado para subir sozinho e sem proteções ou cordas, apenas com sapatilhas de escalada e pó de giz. Não quer "morrer jovem", disse, acrescentando que não contou à mãe nem a muitas pessoas o que ia fazer, para evitar preocupar família e amigos, mas também para impedir que essa preocupação o contaminasse.

Honnold é um especialista no modo solitário livre: sem corda ou qualquer outro equipamento de segurança, desafia as mais temidas montanhas do mundo, do Sendero Luminoso ao El Capitán. Convertido em nómada devotado à escala, Alex Honnold vive há sete anos numa furgoneta convertida em autocaravana, em permanente viagem pela natureza, à procura do próximo desafio, mas desta vez ainda não sabe qual será depois de anos de preparação intensa para o feito de sábado.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.